Usina de Letras
Usina de Letras
50 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60367 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3194)

Ensaios - (9716)

Erótico (13520)

Frases (48255)

Humor (19555)

Infantil (4830)

Infanto Juvenil (4180)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139367)

Redação (3119)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
cronicas-->Pablo Xavier -- 01/08/2017 - 10:43 (AROLDO A MEDEIROS) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Pablo Xavier

Aroldo Arão de Medeiros


Chamarei a personagem desta crónica de Pablo Xavier. Que nome ridículo! Ou seria extravagante? Tentarei explicar: Pablo Picasso, o grande pintor espanhol, escultor, ceramista, cenógrafo, poeta e dramaturgo usava quase que diariamente uma boina. Chico Xavier, médium e filantropo também cobria a cabeça com tal apetrecho. O personagem ora tratado não tira da cabeça o boné chato, sem costura e sem pala. Tem uma coleção, a qual trata com muito carinho. Esse é o motivo que me fez unir os dois nomes.
Pablo Xavier foi dono de uma sauna. Um dia na semana reservava só para os amigos e "amigas". A porta permanecia fechada e um empregado a abria somente para alguns convidados e para as moças que dariam prazer aos convidados e a ele. Os amigos contribuíam com uma pequena gorjeta às jovens, que repassavam parte para Pablo.
Além da sauna, foi dono de um motel. Diz-se que de onde se tira o pão não se come a carne, mas Pablo Xavier fugia à regra. Além das camareiras e secretárias, uma ou outra vez trazia alguém, sempre do sexo feminino, para ele passar parte da noite agradavelmente.
Esqueci de dizer que Pablo era casado com uma bonita morena e pai de um casal de beleza rara. Quando a esposa estava grávida da primeira filha, no sexto mês de formação do bebê, dirigia o carro em alta velocidade e a Polícia Rodoviária saiu em seu encalço. Rapidamente falou para a mulher:
- Comece a chorar como se estivesse na hora do parto.
Encostou o carro, explicou ao policial e este escoltou-os até o hospital mais próximo. Pablo mais que depressa apanhou uma cadeira de rodas, ajeitou a esposa, agradeceu aos solícitos anjos. Foi só esses saírem, retirou a mulher do assento provisório, devolveu o móvel ao estabelecimento, e foram embora sem serem importunados.
Se ele ganhou ajuda para transportar a falsa parturiente, vejam o que ele fez com o irmão. Este morava em Caldazinha, GO. Veio a falecer e ele queria transportar o corpo de avião, para enterrá-lo em Santa Catarina. O translado via aérea era caríssimo. Foi de carro até onde o irmão estava, vestiu-o confortavelmente, colocou-o no banco do passageiro, apertou o cinto e trouxe sem problema algum.
Pablo ainda é um cara bonito, muito bonito. Até o presente momento usa boina, continua elegante, tem boa cultura. Diferentemente de certas pessoas que devem ser parentes do Beto, forma de despistar e chamar outrem de analfabeto. Pablo Xavier venderia a própria mãe e não entregaria.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 16Exibido 71 vezesFale com o autor