Usina de Letras
Usina de Letras
61 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59519 )

Cartas ( 21247)

Contos (13250)

Cordel (10311)

Crônicas (22246)

Discursos (3167)

Ensaios - (9502)

Erótico (13497)

Frases (46991)

Humor (19364)

Infantil (4542)

Infanto Juvenil (3850)

Letras de Música (5495)

Peça de Teatro (1339)

Poesias (138581)

Redação (3072)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2430)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5612)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Crônicas-->Vagabundos* -- 10/08/2021 - 23:49 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Vagabundos*



"No interior das Gerais,  esquálido menino de 8 anos ganha  presente que lhe moldaria a conduta pelos anos de sua existência -- uma caixa de engraxate. Ao ado de sua humilde casa (limpa de imundície política, ordeira e sem meias-verdades), na barbearia de 'seu' Benedito, aprendera rápido o segredo de bem lustar calçados, defendendo alguns trocados que lhe trariam a felicidade de comprar guloseimas e assistir às matinês aos domingos no Lux. Assim crescia. Sempre no labor.



Por ideal, aos 18 anos senta praça no Exército. Orgulhoso soldado! Faz cursos, recebe promoção. Dirige seu olhar para a Amazônia distante. E lá se vai o menino militar com garbo, a ostentar sua boina verde. 



Naquelas plagas, por algumas vezes, sentiu o calafrio da morte junto a si, quer pelos perigos naturais ou pela dor crudelíssima do frio da malárias. Dedidicou mais de quinze anos de sua carreira a serviços de real interesse do glorioso Exército Brasileiro. Prestou serviços ao mais alto órgão de informação do governo. Pensava ele que, por ter cumprido todas as exigências de sua orgnização, mesmo sem haver completado 50 anos, pudesse descansar um pouco. Hoje, com os olhos marejados e o velho coração guerreiro despedaçado, vê o rotularem de vagabundo. Respeite-nos o senhor que assim o disse.



* Luiz Carlos Garcia, Asa Norte (CB, 16/05/1998, Opinião, Sr. Redator, Desabafo, p. 22).


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 24Exibido 20 vezesFale com o autor