Usina de Letras
Usina de Letras
51 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62397 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22546)

Discursos (3240)

Ensaios - (10444)

Erótico (13578)

Frases (50785)

Humor (20070)

Infantil (5485)

Infanto Juvenil (4808)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140867)

Redação (3319)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6232)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Um papo à calabresa...? -- 15/04/2023 - 17:04 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

 

 

 

Gustavo Alonso

Doutor em história, é autor de 'Cowboys do Asfalto: Música Sertaneja e Modernização Brasileira' e 'Simonal: Quem Não Tem Swing Morre com a Boca Cheia de Formiga'.

 

SEGUIRBOTÃO PARA SEGUIR COLUNISTA

SALVAR ARTIGOS

 

 

Gustavo Alonso

Caso Calabresa/Melhem é um tema importantíssimo

Melhem vem conseguindo se defender das acusações com provas pertinentes

  • COMPARTILHAMENTO ESPECIAL

    Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

    Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

    Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

    ASSINEouFAÇA LOGIN

  •  
  •  
  •  
  • Salvar para ler depois

    SALVAR ARTIGOS

     

     

  • 12
  •  

    •  
    •  

14.abr.2023 às 21h00 

Guerra na Ucrânia? Taxa de juros? A esquecida reforma agrária? Não, o tema de maior importância no Brasil atual é a acusação de assédio moral e físico que a humorista Dani Calabresa e diversas mulheres imputam a Marcius Melhem.

O ator, roteirista e comediante Marcius Melhem foi chefe do núcleo de humor da Globo durante anos e, numa postura sem fronteiras entre amizade e chefia, desenvolveu relações questionáveis do ponto de vista ético com várias funcionárias da emissora. Mas teria Melhem cometido um ato criminoso?

colunas e blogs

Receba no seu email uma seleção de colunas e blogs da Folha; exclusiva para assinantes.

Carregando...

Em outras épocas, a acusação de assédio dentro da Globo seria risível, para desespero das vítimas. Havia até um termo que ridicularizava qualquer problematização mais densa: "teste do sofá".

Por isso o caso Calabresa/Melhem é um tema importantíssimo: coloca em pauta a violência física e moral contra mulheres do meio artístico, seara bastante volúvel sexualmente e ao mesmo tempo permeada por autoritarismos masculinos. Mas também coloca em pauta outra questão: e se não tiver havido crime, quais as consequências?

Entrevista

O ator e roteirista Marcius Melhem em entrevista ao portal Metrópoles - Reprodução YouTube

A bomba que catalisou o caso, que até então estava restrito aos corredores da Globo, foi detonada em dezembro de 2020 na revista Piauí. Escrita pelo jornalista João Batista Jr., a reportagem "O que mais você quer, filha, para calar a boca?" narrava a trajetória de um predador sexual. Um dos alvos preferenciais de Melhem teria sido a humorista Dani Calabresa.

PUBLICIDADE

De lá pra cá, o que se viu foram reviravoltas, quase sempre favoráveis a Melhem, que passou a disputar a narrativa através da divulgação de diálogos do WhatsApp, fotos e vídeos. Nas conversas há intensas demonstrações de carinho e afeto entre Melhem e as supostas vítimas, mesmo depois do suposto assédio. Digo supostas vítimas pois até agora Melhem não é réu e tampouco foi acusado formalmente. Quem judicializou o caso foi o próprio Melhem, em virtude da reportagem da revista Piauí.

A Globo, depois de intensa investigação interna, lavou as mãos e não puniu o humorista. Seu contrato com a emissora terminou e ele saiu de lá com uma carta de agradecimento em agosto de 2022. A emissora demitiu todas as acusadoras. Calabresa até foi posteriormente recontratada, mas como freelance, para cobrir edições do Big Brother Brasil.

1 36

Imagens humorista Dani Calabresa

 

  1. Dani Calabresa
  2.  
  3.  
  4.  
  5.  
  6.  
  7.  
  8.  
  9.  
  10.  
  11.  
  12.  
  13.  
  14.  
  15.  
  16.  
  17.  
  18.  
  19.  
  20.  
  21.  
  22.  
  23.  
  24.  
  25.  
  26.  
  27.  
  28.  
  29.  
  30.  
  31.  
  32.  
  33.  
  34.  
  35.  
  36.  
  37.  

 

Dani Calabresa Instagram/calabresadaniMAIS

 

 

 

 

 

VOLTAR

  • Facebook
  • Whatsapp
  • Twitter
  • Messenger
  • Linkedin
  • E-mail
  • Copiar link

Loading

Melhem vem conseguindo se defender das acusações com provas pertinentes. Todas elas merecem escrutínio público e análise detalhada, além do óbvio respeito às possíveis vítimas. Mas o direito à defesa e a pressuposição da inocência também são primados do Estado de Direito. Quem tem que provar as acusações é quem acusa. No entanto, numa inversão de matrizes jurídicas clássicas, o que se vê é o acusado tendo que provar sua inocência.

Desde dezembro de 2022 Melhem não está mais sozinho. O jornalista Ricardo Feltrin vem se destacando em seu canal de YouTube tratando sistematicamente o caso com conteúdos novos e análises críticas. Feltrin, que havia participado da malhação moral contra Melhem em 2020, diz ter analisado o caso em profundidade e mudado de opinião.

Apesar de questionar a personalidade fanfarrona de Melhem, Feltrin afirma que ele não é um criminoso. As acusações seriam fruto de um complô, com intenções diversas de diferentes ex-relacionamentos profissionais e afetivos do humorista. Algumas seriam ex-namoradas rancorosas, cujas razões Feltrin explica em detalhes. Outras mulheres queriam determinados programas, cargos e créditos em quadros da Globo, e Melhem teria sido o bode expiatório de todas elas. O que uniria todas as supostas vítimas seria a ideia de tomar a chefia do humor da Globo, numa tentativa de golpe que acabou frustrada.

O caso Calabresa/Melhem merece um livro, documentário, filme ou um bom podcast, seja qual for sua conclusão. Pela possível reviravolta a ser confirmada, trata-se, potencialmente, de um dos casos mais importantes do nosso tempo. Melhem, que sequer foi julgado, padece de um veredicto social sem juiz ou júri formal. Mas será que conseguirá virar o olhar da sociedade a seu favor?

Reviravoltas em julgamentos denotam mudanças em padrões de sensibilidade da sociedade. Buscando na história, é importante lembrar o caso do julgamento de Doca Street pela morte da socialite Ângela Diniz em momento crucial da redemocratização brasileira. Houve dois julgamentos desse caso paradigmático para o feminismo brasileiro. No primeiro, em 1979, Doca Street foi estranhamente absolvido. Diante da pressão da opinião pública, em 1981 houve novo julgamento e ele foi condenado pelo horrível crime.

Muitos nos calamos diante do que aconteceu com Melhem, compadecidos do abominável crime apontado. Tratava-se de um silêncio compreensível, afinal havia precedentes escandalosos. Nos EUA, houve o caso do ex-todo poderoso de Hollywood, Harvey Weinstein, que foi condenado por assédio, abusos e até estupro de diversas atrizes. Aqui no Brasil, o caso do ator José Mayer detonou uma justa atenção para um tipo de postura machista execrável.

Mas e no caso concreto de Marcius Melhem? Caso consiga convencer a sociedade da consistência de suas provas, Melhem estará chamando a atenção para algo sobre o que Francisco Bosco já refletiu em seu ótimo livro "A Vítima Tem Sempre Razão?", lançado em 2017, antes do caso em questão explodir. O que está em jogo é exatamente o estatuto da vítima. Em havendo vítima, há réu, há crime. Mas há?

E, mesmo que não sejam vítimas sexuais, é possível que algumas das acusadoras sejam vítimas de relações trabalhistas ultrajantes conduzidas por um chefe autoritário. Mas não é isso que vem lastreando a discussão em torno do caso, visto que as supostas vítimas nunca abriram acusação alguma na polícia contra Melhem, nem muito menos na Justiça do Trabalho, o que envolveria também a todo-poderosa Globo. Seria interessante ir além do particularismo individual de um chefe autoritário para uma análise empresarial das responsabilidades. Mas, infelizmente, não é isso o que está em jogo na acusação de assédio.

Como em todo caso particular, é o pressuposto de vítima que precisa ser definido com atenção e cuidado. Com os dois lados. Não se trata de preservar o "estuprador", o macho, nem de culpabilizar a vítima, mas de respeito aos procedimentos jurídicos que lastreiam nossa sociedade.

O caso Calabresa/Melhem é central para definirmos o que queremos das pautas identitárias, o que precisa ser mais bem ponderado e como devemos lidar com os casos falsos e verdadeiros de violência contra a mulher, estes infelizmente tão comuns em nossa sociedade.

Afinal, não podemos fazer um julgamento apenas com convicções, sem analisar a sério as provas e contraprovas de ambos os lados.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 9Exibido 83 vezesFale com o autor