Usina de Letras
Usina de Letras
53 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62397 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22546)

Discursos (3240)

Ensaios - (10444)

Erótico (13578)

Frases (50785)

Humor (20070)

Infantil (5485)

Infanto Juvenil (4808)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140867)

Redação (3319)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6232)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Aoristo revisto -- 06/11/2023 - 11:08 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

 

 

 

 

Nunca entendi o Aoristo. Desde que pela primeira - e derradeira - vez, por mim foi visto. Apresentou-mo o Frei Raul, um holandês, professor de grego, no Ginásio São Geraldo, em Divinópolis, no já longínquo ano de 1966. E eu, com meus incompletos dezesseis anos, que já havia tido gratificante experiência com o latim ginasiano, agora, no primeiro ano clássico, achava ainda mais instigantes as aulas de grego. Oi oiquía estin megalé...as casas são grandes... cheguei até a aprender, e guardar de cor, a Ave Maria...pela metade, mas escorreitamente. E no grego arcaico, conforme nos advertia o mestre Raul, com a sua pronúncia carregada, que na chamada se observava claramente: Môzart, Weber, Laêrcio... Mas no meu nome ele acertava.

 

Mas e o Aoristo? Não vamos confundi-lo com o Ariosto, Ludovico Ariosto, grande poeta renascentista italiano. Era Aoristo mesmo e até bem mais antigo. E o seu introdutor nô-lo descreveu com todo o detalhamento possível, mas não sei se algum outro meu colega de classe chegou a entendê-lo melhor. E desde então o tempo decorreu e do Aoristo agora ainda me lembro eu.

 

Minhas ocasionais pesquisas, agora facilitadas pelos mecanismos eletrônicos de busca levam-me ao cerne, ou berne...? da questão. Do vernáculo ao linguajar de tanto oráculo...mas ainda assim acho o Aoristo tão esquivo, tão frio e tão indefinido, entre um modo e um tempo verbal, que ao deixá-lo em paz, mal mal lhe dou um ciao...

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 9Exibido 44 vezesFale com o autor