Usina de Letras
Usina de Letras
47 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62295 )

Cartas ( 21334)

Contos (13268)

Cordel (10451)

Cronicas (22540)

Discursos (3239)

Ensaios - (10391)

Erótico (13574)

Frases (50680)

Humor (20040)

Infantil (5461)

Infanto Juvenil (4782)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140824)

Redação (3310)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1961)

Textos Religiosos/Sermões (6211)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->A Briosa, toda prosa... -- 13/02/2024 - 13:54 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

 

 

 

 

História da Portuguesa Santista

Símbolo da Portuguesa Santista e Cachopinha, a mascote da Briosa

Tudo começou em 1914. A população de Santos se agitava com as agremiações criadas por italianos, espanhóis e sírios que moravam na cidade. Mas foi ao observar atentamente a uma partida de futebol do Hespanha Futebol Clube que alguns “canteiros” portugueses, trabalhadores da pedreira do bairro Jabaquara, se entusiasmaram com a criação de sua própria agremiação.

A ideia se consolidou somente em 1917, devido a várias reuniões de portugueses que se encontravam com frequência, ao final das tardes, em um salão de barbearia do senhor Alexandre Coelho, situado na rua Dr. Manoel Carvalhal, que mais tarde se tornaria a rua Joaquim Távora. Numa destas reuniões, o português Lino do Carmo perguntou aos seus conterrâneos sobre a hipótese de fundar um clube de futebol para representar a colônia portuguesa em Santos. Todos concordaram, mas entraram em discussão quanto à escolha do nome do clube.

Manoel Ribeiro, um dos fundadores, sugeriu que a nova agremiação se chamasse Futebol Clube de Portugal. Lino no Carmo, Antonio Peixoto e Albino Marques, por outro lado, optaram por não usar o nome do país lusitano devido à dúvida quanto ao êxito do projeto. Todos resolveram, então, criar uma associação portuguesa destinada a atletas.

No dia 20 de novembro de 1917, a barbearia onde ocorriam as reuniões diárias foi fechada algumas horas antes que o de costume para organizar as cadeiras, limpar o salão e tirar fotografias antigas da parede. Manoel Tavares, responsável por dirigir os trabalhos, deu início à reunião às 20 horas, em que, por votação unânime, o novo clube de Santos foi batizado com o nome “Associação Atlética Portuguesa”, hoje carinhosamente chamado de Portuguesa Santista ou Briosa.

Após fundar a agremiação portuguesa, que já contava com 37 associados, era necessário formar a primeira diretoria. Por isso, novas reuniões foram realizadas na barbearia. Por votação unânime, o primeiro corpo diretivo foi formado da seguinte maneira:

  • Presidente – Lino do Carmo;
  • Vice-presidente – José de Mello;
  • 1º secretário – Antônio Peixoto;
  • 2º secretário – Bento Ribeiro;
  • 1º tesoureiro – Manoel Ribeiro;
  • 2º tesoureiro Albino Marques;
  • Diretores auxiliares – Luis Fernandes, Alexandre Silva Machado, Manoel Tavares, Antonio Ravaças e Joaquim Ferreira.

Com tudo já encaminhado, faltava um detalhe importante: o uniforme dos jogadores. O clube decidiu adotar o vermelho e o verde como cores, numa alusão à bandeira de Portugal. Na camisa do goleiro, haveria o escudo das armas portuguesas.

O clube não tinha verba suficiente em caixa para confeccionar os uniformes. À época, os poucos associados da Portuguesa contribuíam mensalmente com 2 mil réis. Os jogadores receberam uma carta explicativa informando a situação e solicitando o pagamento dos uniformes, até que a associação pudesse fazê-los. Não demorou muito para isso acontecer, pois a situação do clube melhorava devido ao aumento do número de associados. Dentre eles, estavam os irmãos Pereira de Carvalho: Alcino, David, Clidio e João.

Na gestão de Manoel Lopes Novo, a Portuguesa teve conquistas importantes enquanto associação, como a bênção da primeira bandeira, que teve como madrinha Marques, filha de Seraphim Marques, administrador das Docas de Santos. O clube também passou a ter uma sede fixa, localizada na Rua João Pessoa. A inauguração foi realizada com uma grande festa entre os presentes.

 
Federação Paulista de Futebol

FachadaFPFBriosa

Em 1941, a Portuguesa Santista se tornaria um dos clubes fundadores da Federação Paulista de Futebol, junto de Palestra Itália (atual Palmeiras), Corinthians, São Paulo, Santos, Portuguesa de Desportos, Hespanha (atual Jabaquara Atlético Clube), Ypiranga, SPR (atual Nacional Atlético Clube), Juventus e Comercial Futebol Clube, da cap

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 9Exibido 47 vezesFale com o autor