Usina de Letras
Usina de Letras
65 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60362 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3193)

Ensaios - (9714)

Erótico (13520)

Frases (48249)

Humor (19552)

Infantil (4828)

Infanto Juvenil (4179)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139360)

Redação (3118)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Cotidiano No.2 -- 16/12/2001 - 16:31 (Alexandre Dias) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Cotidiano No.2

-Não mãe, eu não quero!
Tudo quanto Babi gritasse não faria o menor efeito sobre a vontade de sua mãe. Iria tomar Vermutim e pronto, quem mandou pegar vermes, comendo aquela areia toda? Ou por outra, o Pedrinho mandou, mas ela tinha que fazer o que o irmão fala? Ultimamente tenho tido problemas pra por a Babi no banho, mas o Pedrinho adora brincar com a mangueira. Anotação mental No.37: Trancar a Bárbara no quintal com o Pedrinho e não deixá-los entrar até que um dos dois estiver encharcado. Pode funcionar, a mãe consentiu com um olhar perdido em sua própria genialidade.
Nisso, Babi sai correndo por entre as pernas da mãe e vai parar justamente no lugar onde até o vô Chico havia condenado com atitudes pitorescas de sua terra, que não convém comentar agora: o quartinho de empregada. Fechado há anos, por superstição da família, a pequena Babi havia arrumado um jeito de entrar que só ela conhecia, ou melhor, que só ela poderia usar: por baixo da porta. Sim, com o buraco que o Atlas tinha feito, era suficiente pra alguém pequeno como ela passar tranqüilamente.
- Filha, se você não sair, te deixo um mês morando com sua professora de estudos sociais. Disse a mãe, ameaçadora com a primeira coisa que lhe veio à cabeça.
-Não!
-Minha Filha... sai daí que mamãe te dá Kinder Ovo. Disse, persuasiva.
-Não!
-“Vou chamar o Atlas!” Mas isso a mãe só pensou. O silêncio que se seguiu nos próximos minutos, só não foi maior do que os gritos que a dócil Bárbara dava lá de dentro, quando o Atlas investiu suas lambidas nela, coisa que tinha pavor.
Babi tomou Vermutim com as caras que só ela sabia fazer, mas tomou. A família estaria livre dos vermes, mas, até quando?
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui