Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
153 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59051 )

Cartas ( 21235)

Contos (13082)

Cordel (10287)

Crônicas (22190)

Discursos (3163)

Ensaios - (9407)

Erótico (13483)

Frases (46409)

Humor (19253)

Infantil (4424)

Infanto Juvenil (3679)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1336)

Poesias (138158)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5502)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Corrupção* -- 16/03/2021 - 13:29 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Corrupção*

Obrigado, Sr. Joaquim Brasil. Com tantos afazeres, só agora tive

tempo de responder à sua preocupante e bem-vinda carta.

Também eu não me sinto confortável neste estado de dilapidação

do país; principalmente, por quem deveria desenvolver mecanismos

para fortalecê-lo, ampliar o PIB e se impor às nações poderosas.

Assim, penso:

No mundo há muito mais pessoas boas do que ruins. As corretas

não conseguem se unir e colaborar verdadeiramente. As más, de

índole voltada para a iniquidade, se agregam e têm seu pacto de

fidelidade. Exemplo: os corruptos, que cada vez mais robustecem

seu império.

Mesmo em número menor, montam esquemas sofisticadíssimos

que desafiam órgãos especializados. Roubam e destroem o que os

bons erigem com esforço e idealismo de vida íntegra, simples,

ordeira.

Perniciosos, os desalmados só pensam no material, na riqueza, na

cobiça. Suas ações nefastas prejudicam milhões de pessoas e

ocasionam atraso e descrédito do país.

Evoluir, edificar, empreender e propor movimentos honestos

causam revolta aos de caráter deplorável, que preferem viver à

margem da justiça, sacrificando -- de modo gradual – a tão sofrida e

explorada sociedade.

Essa turma que opta pela desonestidade quer o fácil. Como diz a

literatura popular, deseja apenas “carne sem osso”.

Entretanto, amigo, quando ela se olha em espelho, vê o quê? Um

ladrão. O trabalhador (ou trabalhadora) se fizer o mesmo verá um

homem (ou mulher) digno (a), irrepreensível, honesto (a), patriota!

Enfim, a união de larápios pode ser muito maior do que a dos

honestos. Estes serão recebidos em qualquer academia; aqueles,

enquanto na terra estiverem, unicamente a dureza das leis, e, na

eternidade, um ambiente muito quente.

Até breve!

  • Com o abraço do

    Moacyr

    # OsBonsTemQuerSeUnir

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 59 vezesFale com o autor