Usina de Letras
Usina de Letras
43 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59249 )

Cartas ( 21241)

Contos (13136)

Cordel (10297)

Crônicas (22220)

Discursos (3164)

Ensaios - (9458)

Erótico (13486)

Frases (46689)

Humor (19309)

Infantil (4486)

Infanto Juvenil (3780)

Letras de Música (5482)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138398)

Redação (3058)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5558)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Foi Deus* -- 15/05/2021 - 11:31 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Foi Deus*

Obrigado, amiga Teresa, pelas palavras amáveis. A pandemia tem seus aspectos: só assim, recebi sua alentadora carta.

Lembro-me, sim, com enternecimento, da canção "Foi Deus",  que você tocava magistralmente no piano e eu, como seu aluno disciplinado, tentava acompanhar. Não tenho certeza de que a tanscrevo corretamente; vale, porém, a inteção de relembrar versos tão lindos, abrilhantados pela voz maravilhosa de Francisco José:

Foi Deus

(Composição de Alberto Fialho Janes) 

"Não sei, não sabe ninguém

Por que canto o fado

Neste tom magoado

De dor e de pranto...

 

E, neste tormento,

Todo o sofrimento,

Que sinto na alma,

Cá dentro se acalma,

Nos versos que canto. 

 

Foi Deus que deu luz aos olhos,

Perfume à rosa,

Deu ouro ao Sol

E prata ao luar. 

 

Foi Deus que me pôs no peito

Um rosário de penas

Que vou desfiando

E choro a cantar.

 

Pôs as estrelas no céu,

Fez o espaço sem fim,

Deu o luto às andorinhas.

Ai, deu-me esta voz a mim!

 

Se canto, não sei o que canto:

Misto de ventura, saudade,

Ternura ou talvez amor. 

Só sei que, cantando,

Sinto o mesmo quando,

Se tem um desgosto

E o pranto no rosto

Nos deixa melhor.

 

Foi Deus que deu voz ao vento,

Luz ao firmamento

E pôs o azul nas ondas do mar.

Foi Deus que me pôs no peito

Um rosário de penas

Que vou desfiando

E choro a cantar.

 

Fez poeta o rouxinol,

Pôs no campo o alecrim,

Deus as flores à primavera...

Ai! deu-me esta voz a mim!"

 

Nisso,  já passaram mais de 60 anos. 

Qualquer hora dessas haveremos de nos rever e matar as saudades. 

Como o compositor e o cantor, acreditamos firmemente: "Foi Deus!"

Até outro dia!

Com carinho,

Bené

* Brasília, DF, 15/05/2021.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 24Exibido 92 vezesFale com o autor