Usina de Letras
Usina de Letras
62 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60375 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22278)

Discursos (3194)

Ensaios - (9719)

Erótico (13520)

Frases (48275)

Humor (19560)

Infantil (4832)

Infanto Juvenil (4183)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1346)

Poesias (139391)

Redação (3121)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5814)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Humor-->ELEONOR FICOU VIÚVA? -- 04/08/2022 - 16:06 (Renato Souza Ferraz) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

A VIÚVA ELEONOR

Renato Ferraz

Em mesa de bar tudo se fala, seja lá o que for

Conversavam dois amigos sobre a viúva Eleonor

Uma mulher muito bonita e por todos cortejada

O marido morreu cedo, ela ficou desesperada

 

Escapou-lhe o sonho de ter filhos daquela união

Acordava no meio da noite, suada e com sufocação

O rezador lhe aconselhou nessas horas ela rezar

Na opinião dos pretendentes, era melhor sair para dançar

 

Queria muito ter outra pessoa, mas o morto à noite lhe visitava

Se já era assim sozinha, e com outra pessoa, ela pensando ficava  

Um vizinho sugeriu fazerem uma viagem para poder espairecer

Poderiam conversar, passear e quem sabe até se entender

 

Outro viúvo que ouviu falar, a procurou e por ela se apaixonou 

Ela gostou muito do seu jeito e de dar uma resposta ficou

Se o morto lhe aparecia, imagine os dois viúvos, como iria ser.

Preferiu esperar um pouco mais até aquilo arrefecer.

 

Os dias se passavam e aumentava a carência de Eleonor

Uma mulher charmosa que se sentia injustiçada pelo amor

Toda noite sonhava com o seu próximo marido

O pai de seus filhos que seria por ela muito querido

 

Na cidade todos a sua história conheciam

Por onde ela passava muitos olhos a viam

O ouvinte da história quis do outro saber

Se o defunto à época tinha o costume de beber

 

É então que aparece no relato o nome de Zé Bonitão

Um boêmio de boa conversa metido a garanhão

Soube da viúva e com boa prosa a conseguiu conquistar

Ele lhe prometeu que aquela perseguição iria acabar

 

Na primeira noite realmente o morto não apareceu

Foi uma noite delirante que Eleonor jamais esqueceu

Bonitão fazia um ritual no escuro e um copo cheio deixava

A viúva estava surpresa e cada vez mais por ele se apaixonava

 

Nasceu o primeiro filho e o amor do casal só aumentava

O morto raramente aparecia, mesmo assim nem perturbava

Que bom que Zé Bonitão conseguiu se aquietar

Eleonor se sentia feliz por quê de novo conseguiu amar.

 

Confessionário, juizado, quartel; tudo é em mesa de bar

Para se ouvir boas histórias não há melhor lugar

Ali ninguém é pobre e nem tem medo de assombração

Por causa da bebida que traz o efeito de descontração

 

 

 

Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 4Exibido 50 vezesFale com o autor