Usina de Letras
Usina de Letras
42 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59675 )

Cartas ( 21255)

Contos (13343)

Cordel (10321)

Crônicas (22226)

Discursos (3170)

Ensaios - (9538)

Erótico (13486)

Frases (47226)

Humor (19421)

Infantil (4629)

Infanto Juvenil (3943)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138798)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5663)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Primeira impressão -- 02/02/2002 - 21:08 (Aline Toledo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Não adianta: quando a gente não vai com a cara de uma pessoa, por mais agradável que ela tente ser, parece que não desce pela garganta.

Foi assim com ele, logo que o conheci. Foi durante um churrasco, na casa de uma amiga, num domingo à tarde. Que pessoa intragável! Ele tinha um comentário - desagradável - para fazer sobre qualquer assunto.

Quando ele disse algo machista, não agüentei. Mal-humorada, rebati na mesma hora. E foi assim a tarde inteira. Já havia escurecido quando o pessoal começou a contar pontos: um para mim, outro para ele. Ele falava, eu respondia. Alguém dizia alguma coisa para acalmar os ânimos, mas voltávamos a nos “enfrentar”. Quatro a três. Continuamos nossa batalha verbal. O placar terminou empatado no final da noite. Nas outras vezes que nos encontramos, ele tentou ser simpático comigo, mas eu já havia dado meu veredicto: insuportável.

Um dia, quando eu estava numa fase difícil, envolvida em um relacionamento complicado, encontrei aquele chato na saída do cinema. Ele estava com uma moça e, por coincidência, eu e meu namorado fomos no mesmo restaurante que os dois.

Na verdade, eu havia descoberto que meu “namorado” era casado e nós brigamos feio enquanto a refeição não vinha. Comecei a chorar e fui deixada sozinha, assim mesmo, chorando, na frente do prato, sem tocar a comida.

Pela primeira vez, aquela pessoa que eu considerava intragável foi capaz de um gesto delicado. Ele simplesmente levantou de sua mesa, caminhou na minha direção e encostou a mão no meu ombro: “alguém que conseguiu fazer uma pessoa tão especial quanto você sofrer não merece uma lágrima sequer”.

Levantei os olhos. Queria agradecer, sorrir, mas não consegui.

A moça que estava com ele, juntou-se a nós, falou qualquer coisa e se despediu, dizendo que telefonaria para ele mais tarde.

Ele sentou-se na minha mesa e começou a dizer coisas engraçadas, fazer imitações, para ver se arrancava um sorriso meu.

Tudo em vão. Eu me sentia humilhada e não queria que ninguém tivesse pena de mim.

Com um ar muito sério, ele disse por fim: “sempre soube que você era chata, mas nunca imaginei que fosse tanto!”

Levantou e foi embora!

Nossa, as lágrimas vieram em dobro. Ser deixada sozinha duas vezes na mesma noite era demais.

Não passou nem um minuto e senti as pétalas de uma flor fazendo cócegas no meu nariz. Virei o rosto e lá estava o grande chato, intragável, insuportável, oferecendo uma rosa roubada da cozinha do restaurante.

“Era brincadeira. Nunca achei que você fosse chata, pelo contrário ...”

Deixou a flor sobre a mesa e saiu sem fazer barulho.

Desde então, uma bela amizade nasceu entre nós. Ele é a primeira pessoa que procuro quando tenho um problema e ele me disse que faz o mesmo.

Fui madrinha no seu casamento e o incentivei a voltar a estudar. Ele foi o único a saber que fiquei grávida e sofri um aborto espontâneo. Esses são só pequenos exemplos da nossa cumplicidade.

A primeira impressão, às vezes, não é a que fica.
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui