Usina de Letras
Usina de Letras
20 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62480 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10471)
Erótico (13578)
Frases (50867)
Humor (20083)
Infantil (5501)
Infanto Juvenil (4822)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140912)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6251)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Pequeno Monumento -- 04/02/2002 - 23:26 (Alessandro Ramos) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Em frente ao terminal de ônibus, todas as noites, duas gatas se sentam.
A primeira, negra. O pequeno corpo muito bonito. Cabelos pixaim desgrenhados e mal amarrados. Short curto colado e top, não importa o clima.
A segunda, loura. Cabelos tingidos e pouco embaraçados, o que resta da vaidade. Rosto desenhado por macios traços e roupas largas. Roupas que não eram suas.
De quem eram as roupas?
Dos poucos transeuntes se acaloram com olhares piedosos.
Sorriem despreocupadas e conversam. Desfrutam inocentemente do poder de mulher em desenvolvimento.
A dúvida intriga por instantes a evangélica velha e gorda que passa – Onde estão os pais dessas meninas?
Os dois amigos que sobem o morro em direção do terminal não querem ver policial.
Tiram os trocados amassados do bolso, vão ao mato de trás do colégio próximo. Consumam o ato sem nenhum respeito ou cuidado. No prazo de 15 minutos vão ao bar beber e se vangloriar da masculinidade. Ninguém pergunta o nome das donzelas. Corações virgens que não conhecem o amor.
As meninas vão para a esquina conhecida comprar seu brinquedo em forma de pedra, com o dinheiro suado do trabalho.
Voltam para o mato brincar e conversar. Única diversão para essas crianças. A mente destruída não tem lembranças. O corpo entorpecido não sente dor.
Na noite seguinte, como todas as outras, duas meninas sentam-se encostadas no pequeno monumento em frente à biblioteca, em frente ao terminal de ônibus. Uma lápide comemorativa feita de concreto, inteiramente pichada, cuja placa fora arrancada há muito tempo.




Correio Eletrônico - frustrado@pop.com.br
Visitem meu blogue!
www.alessandroramos.blogger.com.br
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui