Usina de Letras
Usina de Letras
74 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60350 )

Cartas ( 21289)

Contos (13386)

Cordel (10358)

Cronicas (22276)

Discursos (3193)

Ensaios - (9713)

Erótico (13520)

Frases (48233)

Humor (19546)

Infantil (4824)

Infanto Juvenil (4173)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139339)

Redação (3116)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5809)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Cenário Sujo -- 21/04/2002 - 20:00 (André da Silva Galvão) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Cenário sujo



Frágeis medrosos

Suas almas passam por mim

Andam pelas ruas desconfiadas

Estas ladeiras te desprezam



A chuva molha o largo da igreja de São Francisco

A água flui grossa e negra

Negra e doce

Anjinhos e açoites revirando pela enxurrada



A rua contínua suja depois da chuva

Resta o som das chibatas

Mordaças e sapatos de suplício

Pegajosas pedras



Arrastam-se senhores e escravos

Mendigam pelo cenário

Nas brancas igrejas almas rezam

Arcaico cristianismo



Quanta decadência passa por mim

Covardes bravos brancos

Bravos covardes negros

Todos tremendo de pavor



Vejo toda a imperfeição

Natureza humana

Barrocas almas

Vestidas de carne ou não



Memória dos cristãos

Estranha razão bruta

Quem serviu ou foi servido

Ninguém merece piedade

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui