Usina de Letras
Usina de Letras
65 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59807 )

Cartas ( 21263)

Contos (13364)

Cordel (10327)

Cronicas (22226)

Discursos (3173)

Ensaios - (9574)

Erótico (13486)

Frases (47456)

Humor (19436)

Infantil (4673)

Infanto Juvenil (4003)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138973)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5700)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Sem pressa -- 25/02/2002 - 15:18 (Nivea E Silva Benjamin) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Aquela cidade do interior sempre esteve comigo em todas as lembranças de infância e de vida mesmo. Me lembro de ter sido levada pelos meus pais, fomos em um fim de semana para a festa de São João, ainda hoje posso sentir o odor, o sabor daquela quermesse de interior. O burburinho das pessoas, felizes com o provável único acontecimento que chegava praquelas bandas. Uma cidade com uma igreja, uma escola, uma farmácia, uma praça e um mercadinho, como nos desenhos de criança . Pra que mais? E preciso tão pouco pra ser tocado pela felicidade. Alegria mesmo, de acordar todos os dias e só viver, sem pensar em problemas, preocupações, só deixar o rio correr, seguir seu curso natural. A verdade é que tudo de mais doce que tenho dentro de mim, trouxe de lá, do sorriso simpático e sem medo das pessoas que se acenavam na rua e se cumprimentavam pelo nome. É tão bom ouvir o nosso nome, a nossa identidade no mundo, tudo se esconde nele, virtudes e fracassos. Não sei ao certo oque mais me encantou ali, afinal foi tão pouco tempo. Acho que alguma coisa de mansidão, daquela bom dia comprido e sem pressa. É isso! Sem pressa, a vida passava lentamente pelas largas janelas das casas, parecia estar sempre tudo igual, como em um quebra-cabeça já montado e longe de qualquer sopro que venha retirar sua ordem, seu esmero de quem juntou cada peça , que mais parece colado com super bonder, mais fácil rasgar tudo, mas não da pra descolar, pra tirar a união, a essência. São tudo devaneios de alguém que depois de um tempo passou a recordar de coisas como essas, uma musica, um vinho, um trovão tudo me fazem mudar de tempo, de cultura, de moda. Me deixo levar
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui