Usina de Letras
Usina de Letras
53 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60358 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3193)

Ensaios - (9714)

Erótico (13520)

Frases (48249)

Humor (19549)

Infantil (4827)

Infanto Juvenil (4176)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139354)

Redação (3117)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Prosopopéia -- 28/04/2002 - 14:56 (Angela Ap. Mirandola Nassim) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
PROSOPOPÉIA



Lá vem o doutor Candinho

com seu discurso veemente,

querendo enfiar palavrórios

dentro da goela da gente.

Tanto fala que até tonteia

dá-se o ar de sabichão.



Em gesto fidalguesco convida à refeição:

oferece batatarana ao apetite glutão,

lambe os beiços o caboclo,

sonhando com fina iguaria.

Quando serve o acepipe, cruel decepção -

é puro feijão sem comparsaria.



Senta-se no banco da praça

a fazer camaradagem,

encontra o Zé da Passagem,

que descansa de uma lida

no seu bestunto tão simples,

só pensando em lauta comida.



Aos ouvidos do pobre solta a verborragia.

O matuto, coitado, com a barriga a roncar,

ouve o doutor com interesse

e em momento de respiro pergunta de supetão:

"isso come doutor,

que minha barriga ronca é de fome?!"

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui