Usina de Letras
Usina de Letras
62 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60362 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3193)

Ensaios - (9714)

Erótico (13520)

Frases (48249)

Humor (19550)

Infantil (4828)

Infanto Juvenil (4178)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139358)

Redação (3118)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Não entendia o porquê -- 14/05/2000 - 20:58 (Ana Mendonça) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Naquele dia frio de inverno ele acordou sentindo-se estranho, estava tudo esquisito e ele não sabia, não entendia o porquê.
Sentia um misto de tristeza e vazio sem ter o porquê.
Enquanto tomava o café, olhou para seus pais e irmãos e sentiu saudade, vontade de abraça-los, de apertá-los contra o peito e cobrí-los de carinho. Sentia tudo isso e não entendia o porquê.
Deu um sorriso e disse a todos que era muito bom estar alí. Ninguém entendeu o porquê de suas palavras inesperadas, mas concordaram que era muito bom estarem todos juntos.
Terminado o café, deu um beijo em sua mãe como há muito não fazia, brincou com o caçulinha, jogando-o para o alto e o abraçou apertadamente, puxou levemente o cabelo de sua irmã adolescente e disse que estava linda, abraçou seu pai e juntos saíram paa mais um dia de trabalho.
Teriam que caminhar algumas quadras até chegarem ao ponto de ônibus, foram conversando, planejando um futuro melhor e aquela sensação estranha persistia em seu peito.
Tentou desfarçar, observando um cão que tremendo de frio, vasculhava uma lata de lixo, sentiu pena e tirou de sua bolsa um pedaço de seu lanche-almoço, jogando para ele.
Chegaram ao ponto de ônibus, cumprimentou os amigos que lá já se encontravam e novamente aquela sensação de saudade, de tristeza batiam em seu peito.
Conversaram sobre o futebol, seu time havia ganho o campeonato no dia anterior, mas era estranho, ele não sentia vontade de contar vantagem, de brincar com os torcedores do time perdedor.
O ônibus chegou, porém, ele não entrou, tudo ficou parado enquanto sua vida passava em flashes rápidos diante de seus olhos.
- Filho...
- Pai...
Seus olhos ele fechou, enquanto seu pai transtornado, apertava sua mão.
Pobre rapaz, seu nome era João, João de Deus, João do tiro perdido, João da multidão.
Alí estava o porquê de seu dia estranho, o porquê da saudade, da tristeza, do vazio...
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui