Usina de Letras
Usina de Letras
58 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60373 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22278)

Discursos (3194)

Ensaios - (9718)

Erótico (13520)

Frases (48263)

Humor (19556)

Infantil (4831)

Infanto Juvenil (4181)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139380)

Redação (3120)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
cronicas-->Medusa -- 27/12/2001 - 11:09 (A. Vicente) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Que galega, que lábios, que coisa louca. Uma margheritta implorando pra ser gulosamente devorada.E o melhor. Tava no papo. É, modéstia nunca fora o forte do Fabinho mesmo. Poética muito menos. Mas foda-se o lirismo. Ele queria mesmo sexo casual. Pra que gastar saliva se a idéia era apenas gastar esperma?

No banheiro, levantou mais ainda o topete. Tirou o sebo da cara e deixou os dentes brilhando. Uns goles de RedBull para curar o porre e tirar o bafo de álcool. Vítima focalizada, músculos aquecidos, hora da abordagem neanderthal número um. Precisava perguntar o nome? Detalhes, detalhes. Esses detalhes só enchiam a cabeça. Ela já estava meio alta mesmo e dançava feito louca na pista. E tinha uma cara de perva. Ó se tinha. Ah, deixa a tática pra lá. Fabinho sabia de uma coisa que iria deixá-la acesona rapidinho. E descambou como um guepardo atrás da caça.

Olhou bem em seus olhos, aproximou-se, tirou as chaves do carro de dentro do bolso e fez o barulhinho mágico ao pé do ouvido. Os olhos verdes-já-um-tanto-avermelhados da moçoila brilharam. Um sorriso maquiavélico tomou o rosto de Fábio.

Dança vai, dança vem. As mãos foram bobeando de vez. Mas diferente delas, seu dono de bobo não tinha nada. Arrastou a moçoila para trás do palco. Abaixou o vestido e caiu de boca. Sorte que ele não era alérgico a silicone. E lambuzou-se como um porco na lama. Tirou o atraso de duas horas. Ao final, olhou pra diabinha e disparou a máxima.

- A propósito, qual é mesmo seu nome?
- Bianca.
- Olha, Bianca. Legal ter te conhecido. Mas, saca só. Vai ser difícil a gente se encontrar de novo.
- Tudo bem.
- Mesmo?
- Umhum...
- Tá. Algo mais para me dizer?
- Bem-vindo
- Bem-vindo a que?
- Faz um exame de sangue amanhã.

Fabinho gelou. Parecia ter virado pedra. Sua medusa calmamente voltava pra pista de dança. Quem sabe para fazer outra vítima.
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui