Usina de Letras
Usina de Letras
26 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62386 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22545)

Discursos (3240)

Ensaios - (10442)

Erótico (13578)

Frases (50774)

Humor (20067)

Infantil (5484)

Infanto Juvenil (4802)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140863)

Redação (3319)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6231)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->Paraísos da net (depois da mancada) -- 18/12/2005 - 14:07 (Nicola Aliberti) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Luminescências positivas. São o colorido vibrar das letras e sons, que fluem alegremente diante de crianças e belas máquinas virtuais. Os computadores, para além dos vícios, podem estimular bons hábitos educativos e artísticos. São as oficinas modernas, ocupando e ligando pessoas no mundo inteiro. Como pensar a cirurgia , o cálculo, a produção, a cultura e as letras, sem o uso da tecnologia de computação ?

Quem vê o inferno da decadência no advento da rede pode estar redondamente enganado. Nunca as letras foram tão democráticas, em que pese os monopólios de Mídias. A rapidez e a facilidade dos correios e blogs eletrônicos subverte os antigos cartéis da palavra. Explodem, magnificamente, as comunidades e solidariedades internacionais, tal o ímpeto da onda, que parece ter sido reprimida por milhões de anos. Livres, os jovens de todo o planeta têm uma oportunidade inédita: conhecerem-se sem sair de casa. Algo transformador irradia da caldeira de luminescências. Salas virtuais conectam pessoas, histórias,problemas, discutem soluções, transmitem informação e dados. Para quem viveu na censura, eis que temos o paraíso da livre expressão. Que me desculpem os pessimistas: Sim, a internet potencializa a liberdade de falar e escrever.

Os conservadores crêem nos perigos morais e intelectuais da febre multimídia. Não há perigo de que os jovens parem de ler. A palavra permanece, independentemente do fundo sobre o qual escorre. Mais triste que amaldiçoar as novas ferramentas - e cada época tem as suas - seria recusar o acesso aos jovens, por incompetência ou ignorância , como fazem certos professores, que submetem seus alunos a extenuantes e maus textos no quadro de giz e depois querem que eles amem a leitura e a escrita.



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 4Exibido 921 vezesFale com o autor