Usina de Letras
Usina de Letras
76 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60345 )

Cartas ( 21288)

Contos (13386)

Cordel (10358)

Cronicas (22276)

Discursos (3193)

Ensaios - (9712)

Erótico (13520)

Frases (48231)

Humor (19546)

Infantil (4823)

Infanto Juvenil (4173)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139333)

Redação (3115)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5807)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->ACREDITE, SE QUISER ! -- 14/01/2007 - 15:10 (ARY CARLOS MOURA CARDOSO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A trambicagem se faz atuante em qualquer segmento social. Às vezes, a coisa surge de onde menos suspeitamos (novidade!).



Pensemos nesta: Certa ocasião, Gustave Flaubert (ele mesmo) acompanhado de Louis Bouilhet (poeta) foram visitar Louise Colet (aquela que riscou com faca as costas do escritor Alphonse Karr) e a encontraram profundamente preocupada, irrequieta. A causa de tanto estresse de Mme. Colet era porque a mesma deveria levar à Academia de Letras, no dia seguinte, um poema e, àquela altura, sequer havia produzido um verso. Segundo o que sabemos, o prêmio já estava garantido. Sem o menor pejo, Louise conduziu seus visitantes até sua biblioteca, trancando-os à chave e vociferou: “Ou vocês escrevem o poema de que preciso para ganhar o prêmio ou não saem daqui. Voltarei à meia-noite”. Conhecedora dos vícios dos amigos, teve ainda a bondade de deixar para ambos bebidas e fumo à vontade.



Aconteceu que deles nada saía. Flaubert, então, teve uma idéia. Foi a uma das estantes e retirou o primeiro livro de poemas que avistou. Era de Lamartine. Sem hesitar, ditou a Bouilhet uma das estrofes. Fez o mesmo com alguns versos de Béranger e depois com outros de Victor Hugo. O resultado, é óbvio, foi um belo poema “colcha de retalhos”.



Exatamente como prometera, à meia-noite, eis Mme. Colet de volta. Ao receber o embuste dos amigos, por incrível que pareça, ficou estupefata, radiante e não se cansava de elogiar o magnífico trabalho poético dos dois. Logo pela manhã, lá estava ela entregando sua obra.



Acredite, se quiser. A academia nada percebeu (ou sabe-se lá o que aconteceu), pois o dito poema foi premiado e a grande poetisa laureada.



Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 2Exibido 937 vezesFale com o autor