Usina de Letras
Usina de Letras
52 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59666 )

Cartas ( 21255)

Contos (13325)

Cordel (10320)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9537)

Erótico (13486)

Frases (47215)

Humor (19420)

Infantil (4627)

Infanto Juvenil (3940)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138779)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5659)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->DEZEMBROS -- 11/06/2000 - 09:35 (Abilio Pacheco) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Quando Dezembro chegar

Meu mano e uns conhecidos

Reunidos todos em festa

De copos cheios na mão

Cantarão, me abraçarão

E hão de quebrar

Em meio a risos e risos

Uns ovos em meus cabelos.



Quando Dezembro chegar

Não serei mais o mesmo

Contarei mais umas rugas

Uns tantos fios a menos

E outros claros a mais.



Quando Dezembro chegar

Estarei na face fria

Do mesmo espelho que há anos

A rir de mim para mim

Vem sempre me revelar

O que o tempo vem esculpindo

Em meus rosto dezembral.



Quando Dezembro chegar

Terei juntas mais duras

Movimentos mais lentos

Mãos um pouco mais trêmulas

Cansados olhos castanhos

Ralos cabelos grisalhos

E não entenderei gíria alguma

Que os meus filhos disserem.



Quando Dezembro chegar

Onde estarão os amigos?

Os ovos? Os copos?... Quebrados!?

Os filhos estarão casados.

O espelho velho embaçado.

Os filhos dos filhos crescendo.

E os olhos de mim... quebrados.

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui