Usina de Letras
Usina de Letras
66 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60371 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3194)

Ensaios - (9717)

Erótico (13520)

Frases (48260)

Humor (19555)

Infantil (4831)

Infanto Juvenil (4180)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139379)

Redação (3119)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->A PARELHA HUMANA -- 16/07/2002 - 13:00 (Anibal Beça) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos


Anibal Beça



E assim se fez verbo

o dom da palavra

para repartir-se

porque ele era só.



Da vértebra curva

veio para ouvir

aquela que se houve

para ser ouvida

na aventura a dois:

chamada Mulher

a chamado do Homem.



*



Bem assim frente a frente

se inauguram os sons

aos olhos da surpresa.



Eis a trave despida

para as vestes da fala,

e a cegueira da boca

signos, tateando, cospe,

palpando seus rochedos

de alfabeto de pedra:



E viu para falar

ouviu para dizer

tanta beleza agora

se vai a solidão

na maciez da pele

na relva dos cabelos

na fenda diferente.



Ele a chamou mulher

e sentiu o seu cheiro

e porque era de espanto

foi deitar-se com ela

no verde da campina

descobrindo seus poros

com o tato da língua

numa conversa muda

mas cheia de arrepios

reinventando colinas

na planície da pele.



E a palavra de pedra

em pedra se afirmava

no palco dos rochedos

banhado pelas águas

esculpindo nas ondas

o sino das sereias

do mar de Adamastor

o mastro do primeiro

este anagrama ereto

encrespando banzeiros.



No lastro das carícias

pesa o rumor dos corpos

com seu barulho de água

no suor represado.



E a vida nesse instante

não era a mesma vida:

um tempero de febre

ardia na mudança.



E a mulher que era voz

ainda adormecida

balbuciou nomeando

esse homem fricativo:

- Amado meu amado.



Então ele se soube

de pedra amolecida

mas senhor da tarefa.



E olhou-a como nunca

olhara em sua volta:

a íris revelando

o seu contentamento

no semblante de calma

na viva descoberta

do fogo prometido.



E desde aquele dia

baniu a solidão

para o deserto da alma

o reservado limbo

do batismo da dor.



Havia agora como

repartir as centelhas

no revirar dos olhos.

A granulada areia

moldando-se em faísca

nas águas de klepsydra

nos pingentes de Thánatos.





Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui