Usina de Letras
Usina de Letras
25 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62387 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22545)

Discursos (3240)

Ensaios - (10442)

Erótico (13578)

Frases (50775)

Humor (20067)

Infantil (5484)

Infanto Juvenil (4802)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140866)

Redação (3319)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6231)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Discursos-->Não chuparás! -- 25/11/2020 - 22:56 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

A laranjeira anda carregadinha delas, todas já bem amarelas. Mas ninguém liga, nem a molecada que quando resolve pegá-las é para algo menos nobre, quase indigno, como tiro ao alvo, ou só pelo prazer de as ver se esborracharem contra um muro de quintal.

São as laranjas-capeta, que outra denominação seria mais porreta?E, no entanto, elas não falham, todo ano, florescem, frutificam e, na pior das hipóteses, orlam e ornam a laranjeira desprezada. E sua serventia é curta: coincide com a colheita do milho, quando as espigas granadas, raladas, vão pro tacho de cobre pra fazer o mingau.

Mas alto lá, antes que o zinhavre formado nos longos meses de inatividade do tacho entre em ação e envenene um pelotão, lá estão elas, partidas ao meio, as laranjinhas-capeta para a apta remoção, em frenética esfregação. E eis que o cobre volta a brilhar, virginal, pronto o mingau não minguar. E sem cerimônia, ei-las, as capetinhas, devolvidas ao pé-de-página inglório, cumprido o seu trabalho sanatório, sem choro, sem vela, ou velório.

Mas eis que no meio do ano, junho entrado, com o frio já anunciado, junto às juninas, as capetinhas voltam ao rebolado, desta vez nem cortadas, apenas espetadas na pontinha dos mastros, fagueiras contemplam as fogueiras, Santo Antônio, São João e São Pedro e São Paulo, num silente mas risonho escarcéu, pertinho que estão lá do céu.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 9Exibido 451 vezesFale com o autor