Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
45 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59055 )

Cartas ( 21235)

Contos (13082)

Cordel (10287)

Crônicas (22190)

Discursos (3163)

Ensaios - (9410)

Erótico (13483)

Frases (46409)

Humor (19254)

Infantil (4425)

Infanto Juvenil (3679)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1336)

Poesias (138159)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5502)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Textos_Religiosos-->PROFETAS APÓSTOLOS E HIPÓCRITAS -- 22/06/2016 - 20:13 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
PROFETAS APÓSTOLOS E HIPÓCRITAS


O ser humano é a mais hábil espécie dentre as dos demais animais deste planeta terra. É no entretanto, a mais frágil das criaturas, porquanto é uma, se não mesmo a única, das mais dependentes por toda a vida. Medroso e destemido, é com um misto de medo e coragem que enfrenta os muitos desafios de sua existência.

Quanto aos percalços da caminhada, que não são mais do que provas na escola em que todos somos matriculados, mal abrimos os olhos, está o teste da soberba, o sétimo pecado capital, que se desdobra em orgulho e vaidade, segundo a concepção cristã e que nada mais é do que um derivativo do chamado “Pecado Original”, nunca antes imaginado, e que só foi sistematicamente teologizado por Santo Agostinho no século IV.

Esse pecado horrendo que ninguém de nós cometeu, mas que se nos impõem por culpa de termos nascidos, sem sequer sermos consultados se queríamos ou não, apenas porque nossos pais se amaram, pensando só em si mesmos e, furtivamente, entramos na vida deles para bagunçar tudo e levarmos palmadas na bunda logo ao nascermos, parece que foi o apóstolo Paulo que idealizou, por temer um Deus que se comprazia no sofrimento e morte de seu único filho na cruz do Império Romano.

Depois vieram outros que se achavam seguidores do Caminho de Jesus, como Policarpo, Tertuliano, Orígenes, Irineu, Cipriano, Atanásio, Basílio, Crisóstomo, Ambrósio, Jerônimo e muitos outros chamados Pais da Igreja e, por fim, nossa pedra no sapato, Santo Agostinho, o mais brilhante de todos e que deu o arremate final, para nosso bem ou para nosso mal.

Não se sabe se essa dúvida é só uma especulação teológica que nos tira o sono todas as noites, ou um dogma da Igreja que se antepõe entre o fiel e Deus, pois que é uma questão definida e cuja origem se perde nas brumas do tempo, mas, que enfim, desaparecerá na escuridão da noite eterna e do descanso para sempre de cada cristão atormentado por uma culpa que sabe que nunca teve.

A certeza que se tem é que desse malfadado pecado original advém os muitos outros pecados, que deixo de mencionar para não enfadar o leitor, já por demais farto de tanta religiosidade e muita hipocrisia nos templos e fora deles, mas em qualquer tempo e lugar.

Meu objetivo não é tanto poupar os crentes, exceto os de boa-fé, se bem que fé demais não é bom, pois é o que alimenta o inescrupuloso apóstolo e o falso profeta, pastores de ovelhas desgarradas, às quais cobiçam na sanha de pautar o ego e não poupar o rebanho, mesmo à custa de cajadadas, sem nunca abrir mão da lã, do leite e, em se tratando de rebanhos humanos, que é o caso de que aqui se trata, também do suor do rosto, ou, precisamente, do bolso de quem neles acredita.

É certo que sempre houve falsos profetas e apóstolos hipócritas, mas no que se refere ao passado, só sabemos deles por ouvir falar. No mundo moderno de hoje, porém, nos damos com eles em todo lugar e em cada esquina, prometendo curas milagrosas e prosperidade financeira a todos que acatarem suas pregações de fé e esperança e amor ao dinheiro.

Para início de conversa, é bom lembrar das palavras de Jesus que nos advertiu sobre os falsos profetas que se revestem de peles de ovelhas, mas na verdade são lobos vorazes.

Vale o mesmo para os que se auto proclamam apóstolos e nada mais são do que fariseus modernos, usando câmeras e microfones, engravatados e vestidos em ternos luxuosos, ou colarinhos clericais.

Esses hodiernos profetas e apóstolos prometem curas e milagres e um reino de prosperidade para o aqui e agora, já que Deus assim o garantiu com sua palavra, que está penhorada, sob pena de se passar por mais um falso deus dentre os muitos já desacreditados e que se tornaram mitos, gregos ou romanos. Com o Deus Bíblico, jamais! Afinal é ou não é Javé?

Como nosso Mestre Jesus nos advertiu, contra esses que se dizem profetas e apóstolos, sem na verdade o serem, vou lembrar de alguns que a bíblia relata a vida, obras e o fim que tiveram.

Será que os chamados apóstolos e profetas modernos estão dispostos a seguir o exemplo deles? Façam a comparação entre os antigos profetas e apóstolos com os que assim se intitulam nos dias de hoje e tirem a própria conclusão.

OS VERDADEIROS APÓSTOLOS

Tiago, o maior, (já que havia o apóstolo Tiago menor) foi o primeiro mártir da fé e morreu em Jerusalém transpassado pela espada a mando do rei Herodes.

E o líder dos apóstolos, Simão Pedro que, segundo reza a tradição, foi o primeiro bispo de Roma e, por ser considerado sucessor do Nazareno, morreu crucificado de cabeça para baixo para ser mais humilhado ainda, isso depois de ficar muito tempo preso e constantemente açoitado pelos soldados romanos.

O outro foi Paulo, que por ser politicamente cidadão romano, não podia ser crucificado, mas nem por isso escapou das torturas e, depois de longo tempo de prisão e chibatadas, foi decapitado em Roma para deixar de ser o maior propagandista do nome daquele de quem antes renegava e perseguia e que, depois de morto na cruz, como o maldito, teve a ousadia de ressuscitar e continuar sua obra subversiva, ameaçando tomar o trono de César.

Não se sabe o que aconteceu com os demais apóstolos de Jesus, mas pelo contexto da época, não se pode esperar melhor sorte do que a dele, que os escolheu e os iniciou na doutrina revolucionária de transformar o mundo em um reino de justiça e paz, mas sempre os advertindo de que o discípulo não teria melhor sorte do que seu mestre.

Sobre João, seu discípulo preferido, temos algumas pistas. Tudo indica que sobreviveu a todos aos demais e morreu de morte natural em idade avançada na Ilha de Patmos, lugar de banimento e exílio nos tempos do Império Romano. Mas isso depois de sofrer muitas perseguições, prisões e suplícios e só foi poupado por ser manso como um cordeiro.

Como se vê, nenhum dos apóstolos de Jesus teve uma vida de conforto e regalias, como ele mesmo prognosticava: “Basta ao discípulo ser como o seu mestre, e ao servo como o seu senhor. As raposas têm suas tocas e os passarinhos os seus seus ninhos, mas o Filho do Homem não tem sequer uma pedra pra repousar a cabeça”.

Quem, ao saber disso, teria desejado ser um apóstolo naquele tempo, quando a fé não rendia lucros e o dinheiro, no qual Jesus se recusou até tocar com o dedo, era por ele recusado e seus seguidores proibidos de levar nos bolsos?

OS VERDADEIROS PROFETAS

Dentre os profetas, comecemos com Isaías, que foi serrado ao meio de modo que de um profeta tornou-se dois, ou seja, o Isaías de cima e o Isaías de baixo. Acho que sobre esse profeta, não se precisa dizer mais nada, pois que ao se duplicar, também sua dor se multiplicou e a morte foi recebida como uma dama de honra.

Quanto a Jeremias, esse foi jogado numa cisterna de fezes humanas e lá permaneceu muito tempo, porém depois de ser libertado escreveu um livro bíblico intitulado Lamentações. Não era para menos, para alguém que ficou imerso em águas fétidas e das quais bebeu para saciar sua sede de sobrevivência e da verdade.

Já o profeta Oséias foi obrigado por Deus a se casar com uma mulher da vida, ou seja, uma prostituta. Assim diz o texto bíblico: O Senhor disse ao profeta (Oséias 1:2). “Vá, tome uma mulher adúltera por esposa”.

Pode-se imaginar a amargura desse homem casado com uma puta, que o traia todos os dias, fazendo do profeta motivos de piadas e chacotas e completamente desacreditado para falar de Deus, que lhe impôs esse calvário diário. Por fim ele se consolou ao interpretar que sua vida de chifrudo nada mais era que a infidelidade de Israel para com Javé, que dele se utilizou para dar ao povo uma lição de moral.

Outro profeta que passou por maus pedaços foi Ezequiel, que recebeu ordem de Deus para comer nada mais do que menos, merda. Duvida? Procure em sua Bíblia no Livro de Ezequiel, capítulo 4:12-15, onde se lê: “Comerás pão (de cevada), assado num monte de bosta humana”.

Claro que o profeta reclamou e Deus misericordioso mandou que ele substituísse fezes humanas por cocô de animais. Menos mal, não acha? Mesmo assim ele teve de comer aquele bolo de presente do Deus que ele amava e temia.

E quanto ao profeta pagão, Balaão, que surrou sua besta para correr bem depressa a fim de dar o recado de Deus, mas por permissão divina a mula abriu a boca e reclamou, acusando o profeta de ter batido nela injustamente. Que humilhação para um ser humano que se julga ser filho de Deus e ser afrontado por um animal xucro e, acima de tudo, uma besta.

Você acredita que um profeta dos dias de hoje, que se acha dono da verdade, gostaria de ser repreendido por um animal irracional? Por uma mula? Pense nisso antes de julgar seus semelhantes, mas pense mais ainda antes de acreditar nesses profetas modernos ambiciosos e irascíveis.

Já o profeta Jonas é enviado pelo Deus de Israel para ir a Nínive, capital da Assíria, com a missão de admoestar os assírios que contivessem sua crueldade e ao muito derramamento de sangue, pois, caso contrário, iriam sofrer a ira divina se não se arrependessem dentro de quarenta dias.

O fato, narrado na Bíblia, é que o profeta desobedeceu a ordem divina e fugiu num navio rumo a Tarsis, uma cidade distante dali. Segundo o relato bíblico, durante a viagem acontece uma violenta tempestade, que só é cessada quando Jonas é lançado ao mar e engolido por uma baleia, em cujo estômago passou três dias e três noites, antes de ser vomitado numa praia. Ufa!

Depois desse pesadelo, foi direto para Nínive, capital da Assíria, para anunciar uma catástrofe sobre a cidade, que não aconteceu porque Deus se arrependeu ante ao jejum e à penitência de seus habitantes. Jonas se sentiu desmentido por Deus, ficou muito deprimido e se refugiou debaixo dum pé de mamonas. Deus não o perdoou e fez secar a mamoneira e tirou sua sombra até que ele se arrependesse.

Acho que ser profeta não era lá um bom negócio, pois todos os profetas bíblicos se ferraram, inclusive o maior de todos, Jesus de Nazaré. Isso sem falar, mas já falando, de seu primo João Batista, cuja cabeça foi servida numa bandeja em festa de aniversário, com músicas e danças, o que em nada melhorou sua sorte na morte.

APÓSTOLOS E PROFETAS DESTE SÉCULO

Penso que esses exemplos citados bastam para se ter uma ideia do que é ser um verdadeiro profeta ou um apóstolo autêntico em qualquer tempo ou lugar. A marca registrada de todos eles é a perseguição e, quase sempre, prisão, torturas e morte com esconjurações.

O que é certo é que nenhum deles era rico e teve mordomias. Todos eles se ferraram por denunciar injustiças que até hoje persistem, entretanto, muitos dos assim auto denominados apóstolos e profetas hodiernos vivem despreocupados, morando em ricas mansões e dormem em berços de ouro, pois têm os pobres se levantando de madrugada, suando o dia inteiro e se deitando tarde para garantir a eles toda essa regalia que Jesus, seus discípulos e os profetas que o antecederam nunca tiveram e nem sequer desejaram.

Porém, na contra mão do Caminho de Jesus, hoje cruzamos com inúmeros profetas e apóstolos, assim auto denominados, que anunciam ou profetizam um mundo de conforto e riquezas, que eles próprios desfrutam à custa do salário suado de seus seguidores, que se comportam verdadeiramente como ovelhas ante o bastão do pastor.

Cá entre nós, eu pergunto: Será que esses auto denominados pastores, apóstolos ou profetas, estariam dispostos a serem serrados ao meio, jogados numa fossa fétida, comer pão de merda, serem engolidos por uma baleia e depois vomitados, decapitados ou crucificados?

Tenho certeza que nestas condições, não teríamos esses profetas e apóstolos para nos enganar e se enriquecerem, roubando dízimos e ofertas de seus rebanhos encurralados e tremendo de medo da ira de Deus e da tentação de Satanás.

Peço a Deus que me livre de tamanha tentação e desgraça. Não sou profeta nem filho de profeta, repetindo as palavras do profeta Amós (7:14).

Deus nos livre desses falsos profetas e apóstolos! Desses que pregam a mensagem da cruz, mas fogem dela, como o diabo, para se esconderem em palácios e mansões revestidas de ouro, desde a pia da cozinha até o banheiro e a privada, onde defecam os seu manjares que deliciam à custa do pão suado dos pobres.

Que Deus me livre da horrível tentação de ser apóstolo e profeta nos moldes desses safados, falsos apóstolos e falsos profetas deste século, que rejeitam a cruz para dormirem em berços de ouro, enquanto o rebanho deles, assustado com ameaças de diabos e infernos e morando em favelas, nunca descansam, deitados no chão frio e se levantando de madrugada para ganhar o pão suado para repartir com esses pilantras.

Que haja pra esses falsos apóstolos e falsos profetas um acerto de contas com Pai eterno, que faz neste mundo nascer o sol sobre os justos e injustos, mas no fim vai separar os cabritos das ovelhas.

Para o leitor, escandalizado ou não com minha denúncia, embora eu não seja e nem queira ser profeta, apóstolo, pastor, padre ou algo que se assemelha a esses porta vozes de Deus, porquanto só me acho no dever de não calar a voz de minha consciência, deixo uma pergunta bastante (im) pertinente:

Você, caro leitor, acredita que os que pregam hoje nos templos e igrejas e muito mais ainda nas TVS, são escolhidos, como eles se dizem, para serem apóstolos, profetas, pastores, missionários, padres ou, resumindo, representantes de Deus, tendo mais poder e privilégios que qualquer mortal?

OUTRAS PERGUNTAS IMPERTINENTES

O que o leitor tem a dizer daquele que fala histericamente e aponta um dedo para todos que acusa, enquanto tem três dedos voltados contra si mesmo e usa sempre de dois pesos e duas medidas para julgar os outros?

Ou do que faz até um show da fé e anuncia o número da conta bancária, onde o crente deve depositar sua oferta se quiser ser recompensado com curas, libertações e ter sucesso financeiro?

Ou de quem prega roucamente encurralando Deus num beco sem saída e dele cobrando promessas com um dedo sobre a Bíblia, garantindo para todos os que creem saúde, prosperidade e uma vida de regalias?

Ou daquele que chora e tira o lenço para enxugar suas lágrimas, se dizendo sofredor e perseguido, mas nunca revela sua grande fortuna investida em fazendas e mansões riquíssimas?

Ou do casal apostólico que saiu da mansão daqui da terra dos tupiniquins e rumou à outra mansão maior e mais valiosa nos Estados Unidos da América do Norte e lá, ao desembarcar no aeroporto, foram flagrados com dólares dentro da Bíblia?

Por fim, uma última pergunta: Entre ser um apóstolo ou profeta verdadeiros, que tiveram uma vida de amarguras, como eu lhes narrei de acordo com a Bíblia, vivendo pobres e perseguidos e flagelados, ou ser um falso profeta e apóstolo hipócrita, com muita fama e bastante dinheiro no bolso, qual seria sua escolha?

Atente para um detalhe: A pergunta é perspicaz, porquanto inclui não apenas ser um como eles, mas também a crer em qualquer um deles. Responda para sua consciência.

BENEDITO GNEROSO DA COSTA

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Benedito Generoso da Costa e sua página literária: http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.phtml?user=GENEROSO). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 101Exibido 178 vezesFale com o autor