Usina de Letras
Usina de Letras
61 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60285 )

Cartas ( 21285)

Contos (13379)

Cordel (10352)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9687)

Erótico (13520)

Frases (48080)

Humor (19493)

Infantil (4787)

Infanto Juvenil (4142)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139184)

Redação (3100)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5773)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Redação-->O morro tem jeito -- 06/01/2009 - 13:09 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

PAZ NAS ALTURAS

Revista Época - 5/1/2009

Crianças brincam sem risco no Morro Dona Marta, na Zona Sul do Rio. A polícia entrou sem matar – para ficar

Em fevereiro de 1996, o cantor americano Michael Jackson pousou de helicóptero no topo do Morro Dona Marta, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Usou a favela como cenário para o clipe da música “They don’t care about us” (Eles não ligam para nós). Em vez de chamar a polícia e pedir proteção, a produção do músico negociou diretamente com Marcinho VP, o chefe do tráfico na época. As gravações foram acompanhadas de todos os lados por bandidos de fuzil, que dividiam lugares nas lajes com a multidão de moradores atônitos. Os demais cariocas, mesmo os vizinhos mais próximos da favela, assistiram a tudo pela televisão. Quem mora no Rio sabe que só morador, usuário de drogas e policial entram em favela sem pedir permissão. E esse último, atirando. Nem o maior ídolo da música pop no mundo escapou dessa premissa.

A grande laje em que o astro dançou e cantou ainda está de pé. Até hoje é conhecida como “a laje do Michael Jackson”. A grande novidade é que hoje qualquer um pode visitá-la, sem passar pelo constrangimento que o próprio Michael sofreu. Desde o fim de novembro de 2008, a polícia expulsou os traficantes do local e ocupou o morro com um batalhão e 125 policiais comunitários, que fazem patrulhas em turnos sem intervalos. Antes da invasão, foram oito meses de trabalho de inteligência. Houve escutas telefônicas, traficantes foram fotografados e pontos de venda de drogas mapeados. Com pouco mais de um mês sem traficantes, o morro abriu-se para o Rio. Sua bela vista da cidade já se tornou uma nova parada no roteiro de turistas.

Leia texto completo em http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2009/1/5/o-morro-tem-jeito


Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 490Exibido 1137 vezesFale com o autor