Usina de Letras
Usina de Letras
50 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59675 )

Cartas ( 21255)

Contos (13343)

Cordel (10321)

Crônicas (22226)

Discursos (3170)

Ensaios - (9538)

Erótico (13486)

Frases (47226)

Humor (19421)

Infantil (4629)

Infanto Juvenil (3943)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138798)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5663)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->A inocência perdida -- 17/08/2002 - 17:58 (Amauri Junior) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Hoje olhei-me no espelho e quiz

Olhar a minha essência,

Qual eu via a minha face.



Infelizmente...não pude fazê-lo.



Então, por um breve momento que fosse,

Retroceder no tempo quereria.

Lá, a minha essência perdida,

Vagueia absorta, extasiada,

A percorrer como fluidos,

A pequena criança de um distante passado.



Ah! Se soubesse eu! Se eu soubesse -

O que me aguardaria no desalmado futuro-

O tempo, pararia-o, se assim pudesse.



Segredo aquele, singular nos deuses -

Nos quais não me fio - desejaria-o ter,

Que fosse por um débil instante:

Faria tudo o que fiz,

Amparado por minha singular essência,

Tal digna de poucos homens .



Essência aquela, que me proporcionara

A incência perdida.;

A tão ansiada inocência perdida,

Cujo o valor inestimável,

Impede-me de a ter hoje.



Ah...que saudades dela!



A frágil lembrança sua,

Abre-me mais ainda

A enorme fenda no meu peito.



E o meu coração?



Que me não ajuda a findar de uma vez

com este padecimento.;

Que para tal,

Bastar-lhe-ia apenas estacar.



Mas não...ele não cede!



Ah... se pudesse eu parar esse coração

Que insolentemente

Bate involuntariamente!



Sendo assim, terei de o esperar estacar

Por uma via mais penosa: esperar que a

Cova, que se abre no meu peito,

Aumente,

Para que assim engula-o

E deixe-me, enfim, descansar .



AMAURI JUNIOR

S.PAULO,10/08/02.













Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui