Usina de Letras
Usina de Letras
52 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60367 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3194)

Ensaios - (9716)

Erótico (13520)

Frases (48255)

Humor (19555)

Infantil (4830)

Infanto Juvenil (4180)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139367)

Redação (3119)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
cronicas-->Perfeito...mas -- 13/04/2002 - 20:12 (Alexandre da Silva Galvão) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Final de tarde. Um ventinho frio balançava folhas e almas. A luz do sol obrigava a cerrar os olhos, mas não fechá-los de todo. Pela fresta ainda se via a valsa da existência... perfeito... mas alguma coisa incomodava...
Procurou com a vista o horizonte... encontrou o céu. O céu azul... azul de muitas cores...
Quando a vista se cansou, a montanha lentamente foi subindo, e subiram as árvores, as casinhas brancas, a rua atravessada, o telhado em frente, subiu o murinho da varanda, os pés, as mãos sobre o livro... e Michkin...O Idiota...Dostoievski, seguidos por um peito, se projetaram ao infinito...perfeito...mas alguma coisa incomodava...
Ligou o som. O violão do João Gilberto driblando o ritmo cardíaco... e a música surgindo dessa dança... começou a tocar o "Corcovado".
Essa música... ainda é linda...
Mas alguma coisa, agora, dói...
Já não sentia o seu corpo. Neste momento era somente espírito. Procurava sem forçar a vista e não avistava, os pássaros que encantavam o silêncio. O sol foi se pondo e com ele o dourado das nuvens que gradativamente foram se avermelhando, depois se acinzentando, até ficarem completamente negras. O encanto sonoro dos pássaros foi substituído, tão rápido que enganou os sentidos, pelo encanto visual das estrelas.
Todas as sensações daquele anoitecer pareciam querer lhe transportar, ele que sempre fora tão seco de emoções resistia a contragosto...não queria resistir.
Os pássaros se calaram de vez, dominava agora o som fresco e consolador do vento nas folhas...mas consolar o que?
Vozes, só as de dentro, mas eram tão poucas e tão fracas que não perturbavam o sono da razão...
Começou a procurar um motivo para se entristecer, não encontrando se entristeceu. Gostaria mesmo era de ter motivos para chorar, sem motivos quase chorou...
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui