Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
176 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->TRIBUTO A MANEZINHO -- 25/02/2003 - 18:16 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. TRIBUTO A MANEZINHO

Com licença Manezinho,
Cheguei sem ser convidado,
Pois não fui desafiado
A cruzar o seu caminho,
Mas aceito um cafezinho
De sabor bem brasileiro,
Fazendo-me companheiro
No seu mister de poeta,
Visando acertar a seta
Numa estrela do cruzeiro.

O ditado é verdadeiro
E mostrou-se eficaz:
As vespas voam atrás
De quem mexe no vespeiro,
Mas você foi um guerreiro,
Por isso estou ilustrando
O seu brado desafiando
Os maiorais do cordel,
Que honraram seu papel
De enfrentar-lhe cordelando.

Provocar de vez em quando
Uma disputa poética,
Que tem sua própria ética,
Não é um erro nefando,
Pois quando se está rimando,
Pela força da expressão,
Tem outra conotação
Tudo aquilo que se diz,
Não sendo um infeliz
Quem profere um palavrão.

Termos de baixo calão
São às vezes proferidos,
Porém bem compreendidos
Não demonstram o condão,
A menos que haja intenção
De ofender o oponente,
Assim, no caso presente
E do meu ponto de vista,
Não vi um só cordelista
Agir de modo indecente.

Você lutou bravamente
Na defesa e no ataque,
Demonstrando com destaque
Toda lucidez da mente;
Restou então evidente,
Ao final do campeonato,
Que os cobras são bons de fato,
Mas você não fica atrás,
Provando que seu cartaz
Custa caro e não barato.

O que em versos eu retrato
Não é para elogiá-lo,
Pois sinceramente eu falo,
Num linguajar mais exato,
Que seu pulo é de gato
E dispensa assessoristas,
Foi perante nossas vistas,
Portanto, registro aqui
Tudo quanto vi e ouvi
Neste duelo de artistas.

Os gigantes cordelistas,
Que duelaram com raça,
Fizeram de nossa praça
Um campo de pugilistas,
Mas não são antagonistas
Nesta senda colorida,
A qual ficou mais florida
Com a presença da Musa,
Que inspira e não acusa
E por todos é querida.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA

Veja a resposta de Manezinho
Pra Benedito da Costa




Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 756 vezesFale com o autor