Usina de Letras
Usina de Letras
55 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60367 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3194)

Ensaios - (9716)

Erótico (13520)

Frases (48255)

Humor (19555)

Infantil (4830)

Infanto Juvenil (4180)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139367)

Redação (3119)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->TERNURAS -- 22/09/2002 - 12:18 (Alexandre da Silva Galvão) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos


Não é o castanho escuro dos seus olhos puxados,

Que reflete brilhando a minha imagem enternecida...

É alguma coisa no seu jeito de olhar...



Não sãos as suas mãos finas e compridas

Que suadas e frias seguram as minhas com força

É alguma coisa em mim, no meu coração...



E se numa calma ilha de tempo em tardes oceanos ansiosos

Num banco de praça sob o sol repouso sobre seus joelhos

Com o instinto de quem ama ela se dobra e eclipsa o sol

Protegendo meus olhos e se transformando em abrigo...



E se nesses momentos de lua que passa sobre mim

A fazem sorrir ternuras que vai descobrindo em si,

A fresca e perfumada sombra que me envolve devolve

a luz de criança que em meus tempos de sol perdi...









Paula... minha luz recuperada<











Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui