Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
37 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->FAÇANHAS DE UM CEGO -- 26/04/2003 - 08:54 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. FAÇANHAS DE UM CEGO

Quem é filho da Bahia
Já traz a verve na mente,
Foi assim com Rui Barbosa,
Castro Alves e mais gente;
Porque o bom Deus o quis,
Lá também nasceu Luís,
Um cego inteligente.

Cegueira não é defeito
E pode até ser um dom,
Não é nada se é do corpo
Que tem o espírito bom,
Mas cegueira espiritual,
Essa sim é grande mal,
Não vê cinza nem marrom.

Ruim quem se torna mudo
Quando é preciso falar,
Ou faz de conta que é surdo
Por não querer escutar,
Pior é o cego sem ser
Porque se recusa a ver
O que se deve enxergar.

Quanto ao Luís, o que eu sei
É o pouco que ouvi falar
Desse simpático cego,
Porém posso imaginar
Que ele vê com a alma
O balançar de uma palma
E até as ondas do mar.

Embora digam que ele
Tem uns trejeitos marotos
E cavalga sobre os trouxas
Como se montasse potros,
Não creio e sei que o Luís
É um cidadão feliz,
Talvez mais do que nós outros.

Esse cego enxerga muito,
Já ouvi alguém dizer,
Do que ele é capaz
Nós ainda vamos ver,
Com sua mente acurada
Vem como quem não quer nada
E a todos vai surpreender.

Um sujeito que encontrei,
Recém vindo da Bahia,
Contou-me e até jurou
Por Santa Virgem Maria
Que o Luís é cego no duro,
Mas caça até rãs no escuro
Como fosse à luz do dia.

Disse-me ainda esse cabra
O que agora revelo:
Certa vez viu o Luís
Treinando para um duelo,
De costas ele atirava
E o alvo sempre acertava,
Pois é rei do parabélum.

Depois pegou a viola
E enfrentou um repentista,
Cantando de improviso
Provou ser mesmo um artista,
Tal como aqui na Usina
Demonstrou que sua sina
É ser mestre cordelista.

Falam que é namorador,
Mas isso é problema dele,
Eu só quero enaltecer
Tudo o que há de bom nele,
Que o Domingos e o Airam,
Dos quais eu também sou fã,
Levem meu abraço a ele.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 685 vezesFale com o autor