Usina de Letras
Usina de Letras
51 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60373 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22278)

Discursos (3194)

Ensaios - (9718)

Erótico (13520)

Frases (48263)

Humor (19556)

Infantil (4831)

Infanto Juvenil (4181)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139380)

Redação (3120)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->cemitérios vastos -- 20/06/2002 - 00:09 (Alceu Silva Santinho) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
o corvo é o pássaro mais brilhante e negro da literatura. a cidade está viva lá fora. ela cresce, suas
ruas e bairros são como tentáculos de polvo que avançam sobre o serrado. porém isso não é tudo... vastos cemitérios
guardam seus mortos e aguardam. retornarão? não. deixarão suas bocas e corações enterrados na boca da aurora. desse décimo-terceiro
andar olho a cidade que se reproduz. e avança sobre o sertão. há cem anos aqui era a boca do sertão. havia somente a úlcera
de Bauru e mosquitos. depois vieram o trem de ferro e o comércio. meus avós também vieram e costuraram botas, venderam sapatos, fundaram
hospitais. vieram também os turcos, os italianos e os espanhóis; os japoneses, os sírios, os polacos e os agiotas judeus.
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui