Usina de Letras
Usina de Letras
62 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60287 )

Cartas ( 21286)

Contos (13379)

Cordel (10352)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9688)

Erótico (13520)

Frases (48086)

Humor (19493)

Infantil (4789)

Infanto Juvenil (4142)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139190)

Redação (3100)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5775)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Infantil-->Reinado dos maxixes -- 13/04/2018 - 21:34 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

A decisão tomada pela rainha das formigas, não foi recebida com simpatia pelos moradores do país de mil e uma maravilhas. Com efeito, a  bicharada se reuniu para deliberar sobre os destinos da floresta: as coisas não podiam continuar do modo como  estavam. A coruja retirou seus óculos e fez deles uma tiara, colocando-os sobre a cabeça. ‘Estou desistindo de ser o símbolo da sabedoria – disse ela- Tenho investido no futuro de meus filhos, mas não consigo sequer uma vaga nas universidades, porque sou branca.’
 
O urubu entregou sua carteirinha de gari: ‘não trabalho mais num país em que as vacas magras engolem as gordas e mesmo com sete anos de seca, não pude armazenar nada em meu celeiro: o homem quer reciclar tudo e até os ossos ressequidos são triturados e transformados em farinha para alimentar as vacas magras, que morrem de raiva e de gorda, impróprias por tanto, para serem ingeridas por minha espécie’.
 
O jacaré reclamou que as piranhas se mudaram para a cidade. A onça abanou a cabeça, em concordância e acrescentou: ‘os veados também’.
 
Todos reclamaram do pardal que abandonou o cargo de professor e foi mendigar nas cidades, viver das migalhas que sobram na mesa do homem.
 
O mico reclamou da escassez de resinas, por causa do desmatamento. Enfim, tomaram uma decisão: mudar para a cidade, abandonar a floresta e habitar entre os homens. Restava, no entanto, distribuir o território. Quem ficava onde...
 
Sem chegar a um censo comum, o rato mudou-se para Brasília. O urubu tomou a liberdade de morar em qualquer cidade suja e a coruja resolveu voltar a morar em cavernas e buracos, onde imperam a escuridão e as trevas.
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 13/04/2018
Reeditado em 13/04/2018
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 1Exibido 262 vezesFale com o autor