Usina de Letras
Usina de Letras
49 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59573 )

Cartas ( 21248)

Contos (13281)

Cordel (10315)

Crônicas (22226)

Discursos (3166)

Ensaios - (9519)

Erótico (13500)

Frases (47113)

Humor (19397)

Infantil (4586)

Infanto Juvenil (3883)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138630)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2431)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5637)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Infantil-->Volta ao Mundo com Judith (XXXII) -- 15/04/2020 - 23:09 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Volta ao Mundo com Judith (XXXII)


Pingelap é nosso destino de hoje, já bem avançada e propícia a noite deste 15/04/20. Também denominada Pohnpei, a ilha se localiza na Micronésia e se compõe de um minúsculo atol, seccionado em 3 partes emersas com uma área total de 1,8 km2,  ligados entre si por uma linha de recifes, com uma extensa lagoa ao centro e que dá ao conjunto uma forma cartográfica parecida com uma imagem de nosso Brasil. As três partes emersas são Pingelap, Sukoru e Daekae, e Pingelap é a única habitada, com cerca de 250 residentes.

Dois aspectos, ligados entre si, praticamente resumem as características de Pingelap: em 1.775, dezessete anos antes da ilha ser descoberta por Thomas Musgrave, um violentíssimo tufão, denominado Lienkieki devastou a ilha e a vida de seus ilhéus, e tão-somente cerca de uma vintena sobreviveu a esse apocalipse. Nos anos subsequentes, notamente em 1.820 começaram a ser observados os sinais de daltonismo completo em parte significativa da população, provavelmente em decorrência da força endogamia. Atualmente estimam-se em cerca de 10% os pingelapenses totalmente daltônicos.

E aquele paraíso tropical multicolorido para os videntes normais não passa de variações de cinza para os locais, que em razão da alta sensibilade aos raios luminosos, evitam o sol a todo custo. Nada obstante, os pingelapenses insistem que seu alcance visual é extraordinário, permitindo-lhes ver uma riqueza de formas e sombras
de outra forma inalcançáveis...

Curiosa é a arte de pescar entre os pingelapenses, realizada à noite, com o auxílio de uma tocha que, permite a atração maior dos peixes voadores facilitando sua captura...
Paulo Miranda
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 24Exibido 66 vezesFale com o autor