Usina de Letras
Usina de Letras
65 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59656 )

Cartas ( 21253)

Contos (13324)

Cordel (10319)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9535)

Erótico (13486)

Frases (47208)

Humor (19423)

Infantil (4618)

Infanto Juvenil (3936)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138764)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5656)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Onde encontrará respostas -- 14/10/2002 - 18:12 (A. AAA) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Existiu um homem que a muito tempo atrás, procurava uma pedra. Ele não sabia qual pedra ele procurava, nem sua cor, nem por onde ir, muito menos o porque disso tudo. Só sabia que tinha que achar esta pedra, não importasse o tempo que fosse, os caminhos que tomasse e nem o que fizesse para adquiri-la.

Ele andou pelas florestas, desertos, planícies e montanhas, achou várias pedras, de vários tamanhos, de várias cores, de vários valores. Ficou com algumas por algum tempo pensando que esta era sua pedra. Mas quando a noite chegava e a lua brilhante o iluminava ele percebia que aquela pedra não era a sua e atirava-a para longe, fosse no fogo, fosse no ar, fossa na terra, fosse no mar.

Aconteceu uma vez, dele se apegar muito a uma pedra, até pensou que era a pedra que procurava, porque ela aos seus olhos lhe parecia muito bonita, mas certa vez ele foi desastrado e a deixou cair. Ela se espatifou no chão e ele pode ver que sua pedra era uma pedra de barro envolta de uma casca muito bonita.
“Era apenas uma casca”. – pensava ele decepcionado.

Quis abandonar sua busca, porque tinha se acostumado com a pedra que havia quebrado. Ele não entendia, e tentava explicar o porque do seu fracasso. Pensou até que a culpa fosse sua, afinal, se não a tivesse deixado cair jamais ficaria desiludido, e estaria feliz com aquela pedra de barro.

Ficou um tempo se recompondo de sua perda, para depois voltar na sua jornada, não sabia o que o aguardava. Procurou por outras florestas, desertos, planícies e montanhas. Continuou a achar as mais variadas pedras, e já sabia que conhecia todas as pedras do mundo, exceto a sua.

O velho tempo passou e ele começou a se desesperar, porque ele procurava e nunca achava. Via que seus esforços eram em vão e seus pés já doíam de tanto andar. As vezes sonhava com sua pedra mas quando acordava, lembrava-se de pouca coisa, sabia apenas que havia sonhado, e que o sonho fora bom.
Para ele aquela pedra era sua união ao mistério, a sua razão de estar ali, a soma de tudo que aprendera e desejava, e até pensava que quando a encontrasse tudo mudaria, mas tinha medo de achar outra pedra de barro, ficaria arrasado.

Um dia, caminhando por dentro de uma caverna ele sentiu que iria achar sua pedra. Quando é para ser, algo dentro da essência desperta-se e toma conta de todo o corpo. Sabia intuitivamente que ela estava naquele lugar escuro. Estava eufórico. Andou por todos os túneis da caverna, porem eles haviam terminado e último dava para um lago cristalino subterrâneo. Por um instante pensou: “Tenho que cavar, ela esta por aqui”. Ficou dias cavando a caverna e infelizmente, não a achou. Ela estava ali, ele sentia. Foi chorar perto do lago subterrâneo. Sabia que estava perto, mas parecia estar longe. Suas lágrimas pingavam e misturava-se com as águas cristalinas. Abriu os olhos e por instantes ficou paralisado. Ele via seu reflexo na água, nunca reparou como era, a última vez que viu seu reflexo, ainda era criança... Ficou horas e horas olhando – se no lago cristalino. Via suas feições, e começou a ver o brilho de seus olhos, pareciam pequenas pedras tremeluzentes. Não mudaram desde menino. Queria a pedra, mas sua busca passava a perder seu sentido. Enquanto observava seu reflexo entendeu que o que ele procurava estava para ser descoberto,e que a pedra dele esteve muito perto, sempre o acompanhou, mas estava muito bem escondida, em um lugar que ele nunca havia procurado. E entendeu que não só a pedra estava dentro dele como fazia parte dele, chamou-a de pedra-coração.

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui