Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
51 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138242)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->PREDIÇÕES SINISTRAS -- 31/07/2003 - 16:10 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. PREDIÇÕES SINISTRAS

Ouvi certa vez um caso interessante,
Em versos e rimas aqui vou contar;
Uma viúva rica e muito importante
Nos seus três filhinhos ficou a pensar,
O destino deles, dali por diante,
Se o bom caminho iriam trilhar,
Buscando a resposta numa cartomante,
Quis saber a sorte ou talvez o azar.

A fada tomando o baralho famoso
Falou com franqueza e sinceridade:
Seu primeiro filho será criminoso,
Vai matar os outros com sagacidade;
Seu segundo filho é também desditoso,
Vai ser um ladrão em nossa sociedade;
Do terceiro filho o destino é penoso,
Será um mendigo de causar piedade.

Aquela viúva, muito inconformada
Com a sorte dos filhos que fora predita,
Pediu a um sábio que fosse mudada
De cada um deles a sina maldita;
Após escutar os preditos da fada,
Pensando em silêncio em cada desdita,
O sábio encontrando a palavra acertada
Deu este conselho à pobre mãe aflita:

Pra médico estude o primeiro menino,
Que por este ofício ninguém tem desprezo,
Será certamente um doutor ladino,
Das tramas do crime vai sair ileso,
Matando ele cumpre seu negro destino
E de modo algum estará indefeso
Porque todo médico é um assassino,
Mata por dinheiro, mas nunca vai preso.

Seu segundo filho que está destinado
A ter em seu nome uma mancha tão feia,
Pra ele não ser nesta vida chamado
Gatuno que furta a propriedade alheia
Terá que estudar e ser advogado,
Assim vai roubar até o sangue da veia;
Será nesse ofício um ladrão disfarçado,
Roubando as pessoas sem ir pra cadeia.

Ao terceiro filho eu também consigo
Achar um caminho bastante acertado,
Somente fazendo aquilo que eu digo,
Pois ele também tem que ser estudado;
Sendo um sacerdote não corre perigo
De ser nesta vida um esfarrapado
Porque todo padre é sempre um mendigo,
Que vive de esmolas, porém respeitado.

O filho mais velho, seguindo o preceito,
Tornou-se um médico bem conceituado;
O segundo filho formou-se em direito
E foi na verdade um grande advogado;
O terceiro filho, com um bom conceito,
Foi um santo padre após ser ordenado;
Assim se cumpriu de um modo perfeito
O que pela fada foi profetizado.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA








Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 1126 vezesFale com o autor