Usina de Letras
Usina de Letras
63 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59808 )

Cartas ( 21263)

Contos (13364)

Cordel (10327)

Cronicas (22226)

Discursos (3173)

Ensaios - (9574)

Erótico (13486)

Frases (47466)

Humor (19436)

Infantil (4676)

Infanto Juvenil (4003)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138983)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5702)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->CÁLICE PURO -- 10/01/2003 - 00:13 (Alexandre Marcos Seolim Rodrigues) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A rosa labial, encarnada

Tranca fervores, que o beber não apaga,

Sangra a brasa, que o olhar não viu,

Segredo fosco, um fumegante ardil.



Essa escultura de desejo venal,

Atrasa os minutos, faz o sol mais quente,

Nega-me a travessia do voraz portal

E emudece o sonho de quem quer que adentre.



O encanto é o avesso da áspera areia,

É a maciez severa de uma seda fina,

Envenena, afoga, fogo, ao peito, ateia,

A chama dança virgem, ao brilho purpurina.



Orgulhosa, rejeita o céu, na terra fulgura,

Envaidece o estrelar noturno, cintilante,

Majestade imperial, quer ser a própria lua,

Esquece a sombra, não permite nada mais brilhante.



E embebeda o garbo jovial cantante,

Jura um mundo pleno, num sussurro.

Entrega-se à posse do feliz amante,

Beija de lábios santos o cálice puro.

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui