Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
34 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->A MISSA DO CACHACEIRO -- 16/08/2003 - 11:57 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. A MISSA DO CACHACEIRO

Domingo não vou à missa,
Deus queira me perdoar,
Por não ter roupa bonita
Não poso me apresentar.

Então vou tomar cachaça
O dia inteiro no bar,
Mas eu tenho devoção
E não deixo de rezar;
Do meu modo eu busco a luz,
A garrafa é minha cruz
E o balcão é meu altar.

Minha bíblia é o baralho,
Onde a escritura se traça,
O cigarro é o incenso
Para expelir a fumaça.

A hóstia é um salgadinho
Que na minha goela passa,
O copo é a galheta
Que eu uso como taça,
O vinho é aguardente
Que me deixa muito quente,
Mas também cheio de graça.

Também faço meu sermão,
Discursando aos companheiros,
Falo da vida e da morte
E de amores traiçoeiros.

Os marginais eu condeno
E absolvo os justiceiros,
Mato o bicho e mostro o pau,
Mas não ataco os bicheiros,
Defendendo o que é direito,
Eu escuto satisfeito
O amém dos cachaceiros.

Quando a polícia chega
E pára na frente minha,
Nesse ponto da oração
Já perdi o fio da linha.

Digo então que o boteco
É a nossa capelinha,
Peço um pouco de silêncio
Pra rezar a ladainha,
Falando em altos brados,
Eu afirmo que os soldados
Cada um é um coroinha.

A polícia não quer graça
E acaba com minha ceia,
Levantando a garrafa,
Eu danço uma volta e meia.

Rezo ao Pai Oxalá,
Mas caio e rolo na areia,
Levanto trocando as pernas
Igual um porco na peia
E, algemado num rosário,
Vou para o confessionário
Lá nas grades da cadeia.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA










Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 4467 vezesFale com o autor