Usina de Letras
Usina de Letras
55 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59808 )

Cartas ( 21263)

Contos (13364)

Cordel (10327)

Cronicas (22226)

Discursos (3173)

Ensaios - (9574)

Erótico (13486)

Frases (47466)

Humor (19436)

Infantil (4676)

Infanto Juvenil (4003)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138983)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5702)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->O Meu Amigo -- 20/01/2003 - 17:13 (André Mariano de Almeida) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Ele vem pelo afável desmoranamento das minhas partículas

Crescendo com a urgência e com a palavra.

Pára para a passagem das suas desalegrias

E chega eletricamente estável para o sempre único apego:

O meu amigo, o que não veio e esteve com véspera

No orgânico amor de todas as minhas cicatrizes

Feito de nervos e versos e coagulos do pensamento

O que de tão próximo quase não existe

Mas que por existir é membro da minha fragilidade.

Veio bravo, aquele que em si é próprio do infinito,

Que desabita a noite com estrêlas d água

E com seu soluço afogado traz-me o som das

Três-Marias,

Mulheres de granito feitas das nossas dores siderais

Pelo silêncio onde não hei de possuí-las nem combatê-las

Quero apenas tocar meu corpo através de seus corpos insaciáveis.

O seu lugar é um novo costume sem memória

Para vivermos o heterogêneo no avesso das horas.;

O meu amigo, aquele cuja realidade não tem face

Posto que é o reflexo dos nossos humildes olhos,

Que não tem mistério, posto que é a base do ser,

E que com mãos solúveis mistura o bicho e o humano

O que escuta meu coração sangrando meus olhos

E pela sua essência afim traz o óbito das minhas olheiras lúcidas

Para eu amar a vida em suas rugas inertes.

Ele que concebeu meu nome antes de tê-lo ouvido,

Que do pardo teceu-me um riso puro,

O que o sonho tornou intimamente necessário:

O meu amigo ar, o meu amigo tempo, o meu amigo espaço,

O meu grande amigo que nunca cheguei conhecer.







Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui