Usina de Letras
Usina de Letras
58 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60373 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22278)

Discursos (3194)

Ensaios - (9718)

Erótico (13520)

Frases (48265)

Humor (19557)

Infantil (4831)

Infanto Juvenil (4183)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139381)

Redação (3120)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5813)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Ébrios -- 11/11/2002 - 17:01 (Antonio Jurandir Pinoti) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Ébrios






O médico foi duro e categórico. Explicou a Antenor as prováveis causas do derrame cerebral: sedentarismo e a desastrosa combinação de fumo e álcool. Disse-lhe ainda que o AVC paralisara-lhe o braço direito. Antes de assinar a alta, o doutor fez a última recomendação ao paciente ― caminhadas diárias e parar de beber e fumar. Quando muito uma tacinha de vinho tinto, de vez em quando.Nessa hora os olhos de Antenor ficaram molhados de lágrimas.

A doença também deixou Antenor meio manco, mas ele tocou a vida pra frente como pôde. Conseguiu aposentar-se por invalidez, e só saía de casa para as caminhadas e as idas ao fisioterapeuta.

Aconteceu então que numa tarde Antenor não voltou da clínica na hora costumeira. Sua esposa, com mau presságio, foi até o bar e encontrou o marido feliz levantando o copo com a mão esquerda. A fumacinha azulada do cigarro sobre o cinzeiro cheio de guimbas enfeitava o ambiente. A mulher não fez cena. Apenas chorou por dentro e até ajudou Antenor a levantar-se da cadeira.

Antenor terminou o tratamento com a fisioterapeuta e, aposentado, num dolce far niente , entregou-se de vez à bebida e ao cigarro. Mas a festa não durou muito. Dessa vez o AVC foi mais forte. Antenor, com um tubo no nariz e rodeado de aparelhos, acordou numa cama de hospital. O mesmo médico deu-lhe a sentença: o derrame havia paralisado o outro braço.

Antenor voltou a andar após um ano de fisioterapia. Dava pena ver o coitado com a boca torta, claudicante, balançando os braços moles. No início foram somente umas voltinhas na praça. Mas o tempo ajeitou as coisas e Antenor passou a se virar bem com suas limitações físicas.

Um dia, a esposa de Antenor estava preparando a janta quando foi interrompida pelos gritos do filho caçula:
― Mãe, corre, mãe, o pai tá lá no bar bebendo cerveja de canudinho!

Alguns meses depois Antenor morreu. Ele até conseguiu ser socorrido com vida, mas o atropelamento causara-lhe grave traumatismo craniano.
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui