Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
44 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->NA TRILHA DE JOSÉ DANTAS -- 02/10/2003 - 15:45 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. NA TRILHA DE JOSÉ DANTAS

Grande mestre José Dantas,
bom cantador repentista,
poeta e cordelista,
vate de façanhas tantas;
com teus versos nos encantas
e enriqueces a poesia,
não fazes apologia
do vício ou da intriga,
és pessoa mui amiga,
que só desperta alegria.

Com classe e categoria,
compões como jamais vi
e o estro reluz em ti
o brilho da maestria;
confesso que eu gostaria
de chegar onde chegaste
para ostentar numa haste,
com muita arte e primor,
obras de igual valor,
talvez uma só me baste.

Entretanto um contraste
entre meus versos e os teus
ganha as alturas dos céus
por tudo quanto mostraste;
hás já posto num engaste,
tal qual um belo rubi,
o que publicas aqui
sobre os mais diversos temas,
pois os teus belos poemas
vão do Oiapoque ao Chuí.

Num casebre eu nasci
no verde interior paulista,
sonhando ser cordelista
muitos autores eu li
e ao som da viola cresci;
de vangloriar-me resguardo,
mesmo não sendo bastardo,
já que o nordeste altaneiro,
com seu canto alvissareiro,
ajudou-me a ser um bardo.

Pelo sucesso eu aguardo
e assim vou fazendo testes
na trilha dos grandes mestres,
pra vencer, mesmo que tardo;
vez por outra lanço um dardo,
semeio aqui e acolá,
pois em se plantando dá;
sou tal qual um colibri,
que imita o bem-te-vi,
mas sonha ser sabiá.

Um dia chegarei lá
com toda desenvoltura
para cantar à altura
de um grande carcará,
que voa do Ceará
e chega ao Maranhão,
do Piauí cruza o sertão,
vai ao Rio Grande do Norte,
na Paraíba, com sorte,
faz ao Dantas saudação.

Lá em Pernambuco, o chão,
de onde Asa Branca se vai,
quando a chuva não cai,
[canta assim o rei do baião
- Luiz Gonzaga - esta canção,
pois sua voz ainda está viva
nos versos de Patativa,
chorando a Triste Partida];
carcará, na despedida,
também canta e cativa.

Essa bela ave altiva
também pousa em Alagoas,
saudando muitas pessoas
com sua voz interativa
e a multidão brada: Viva!
Voz sonora do nordeste,
que encanta o agreste
e ecoa em todo o sertão,
comoveu um dia Lampião,
terrível cabra da peste.

Belo carcará silvestre!
Em Sergipe também cantas,
no retorno, leva ao Dantas
meu apreço a este mestre,
pois seu talento é inconteste
e grande é sua bagagem;
fiz-lhe esta homenagem,
reconhecendo o valor
de um poeta trovador,
que tem cultura e coragem.

Prosseguindo a viagem,
no seu vôo aquilino,
o carcará nordestino
vai cantar noutra paragem,
sobrevoando de passagem
o estado da Bahia;
muito prazer eu teria
se voasse cá para o sul
pra saudar o céu azul
com DANTAS na cantoria.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA

Leia de José Dantas:
BENEDITO GENEROSO FAZ VIAGEM NO SERTÃO

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 735 vezesFale com o autor