Usina de Letras
Usina de Letras
40 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59656 )

Cartas ( 21253)

Contos (13324)

Cordel (10319)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9535)

Erótico (13486)

Frases (47208)

Humor (19423)

Infantil (4618)

Infanto Juvenil (3936)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138764)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5656)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Ensaios-->Análise do discurso aplicada ao texto: CICATRIZ NA MEMÓRIA -- 04/10/2005 - 15:54 (Ari de souza) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Análise do discurso aplicada ao texto
“CICATRIZ NA MEMÓRIA”
Reportagem do Jornal Estado de Minas – 06/08/2005




ESTRUTURA


O texto apresenta uma estrutura em prosa, divida em 12 parágrafos. No canto superior esquerdo temos o desenho, em origami, de uma pomba. Uma referência explícita à cultura japonesa e ao tema da paz. Ao lado da imagem há um sintagma nominal, “HIROSHIMA 60 ANOS DEPOIS”, que procura situar o leitor no momento histórico da explosão da Bomba Atômica na cidade japonesa de Hiroshima. Introduz-se assim, a temática da guerra.


TÍTULO E SUBTÍTULO


O título “CICATRIZ NA MEMÓRIA” é uma metáfora, que pretende transmitir a idéia de uma lembrança dolorosa, algo que marcou e que perdura nos dias atuais.

O subtítulo, que recebe no léxico jornalístico a denominação de “bigode”, apresenta uma informação sobre o arsenal atual de armas nucleares. O narrador destaca que este arsenal é “suficiente para destruir o planeta muitas vezes”, o que evidencia o discurso a que se pretende dar voz.

Por um lado, a memória é defendida como um aspecto positivo, enquanto por outro, a guerra recebe uma caracterização negativa.


ILUSTRAÇÃO


A ilustração, localizada bem ao centro da reportagem, mostra o centro da cidade de Hiroshima devastado pela explosão da bomba. Na legenda, o narrador estabelece uma oposição. Se antes, o que havia ali era uma cidade histórica fundada no séc. XVI, destacando o tema do patrimônio histórico como algo a ser preservado, após o acontecimento, que se deu em questão de minutos, o que passou a existir foram as ruínas. Há uma relação entre tempo para construir e tempo para destruir.


CORPO DO TEXTO


O texto, que pretende falar de um fato histórico, inicia-se justamente a partir de uma perspectiva temporal, “No dia 5 de agosto de 1945”, sendo que o segundo e o terceiro parágrafos apresentam a mesma perspectiva, “Na manhã seguinte” e “Em dado momento”, respectivamente. O tempo é apresentado, pois, de forma gradativa e evolutiva. Inicia-se no dia anterior à explosão da bomba e caminha em direção aos dias atuais.

No primeiro parágrafo, a personagem principal Akie Yoshikawa é introduzida. O tema da morte se faz presente através da missão camicase, a ser empreendida pelo cunhado.

O terceiro parágrafo, construído a partir do discurso direto, mostra Akie Yoshikawa relembrando o momento exato em que a bomba explodiu. Interessante destacar este aspecto da sintaxe discursiva, já que se trata de uma estratégia argumentativa do narrador, com vistas a criar um efeito de verdade sobre o fato narrado.

O quarto parágrafo, ao falar sobre as condições atuais de Akie Yoshikawa, desloca o tempo para o presente. O espaço abrange o hospital da Cruz Vermelha, em Hiroshima. O termo hibakushas, um neologismo nipônico, explicado através do aposto evidenciado entre parênteses, trás a temática dos sobreviventes irradiados.

No sexto parágrafo, o tema em destaque são os esforços de guerra, isto é, as atividades desenvolvidas pelo governo japonês como medidas preventivas a eventuais ataques dos norte-americanos. Para dizer o porquê de Akie e sua mãe terem se dirigido para a escola transformada em abrigo, o narrador explicita as condições causais, o que pode ser percebido nas seguintes colocações: “como o Japão estava em guerra” “e ela trabalhava para o governo” “foi obrigada”.

O sétimo e o décimo primeiro parágrafos fazem, novamente, através do discurso direto, uma descrição dos efeitos imediatos da bomba sobre a população sobrevivente, mais fortemente atingida.

No oitavo parágrafo, o narrador se apropria de termos técnicos como, “pressão atmosférica” e “órgãos internos”, para descrever estas reações.

No nono parágrafo, Fumiko Oki, de 85 anos, ganha voz no discurso. Nesse momento, embora seja uma personagem secundária, o narrador a qualifica na condição de confirmar o relato anterior de Akie Yoshikawa. Este posicionamento pode ser compreendido quando se observa que esta nova personagem é alguns anos mais velha que a personagem principal. A questão da idade se torna, pois, uma referencia para a legitimidade do discurso.

Por fim, o último parágrafo apresenta uma síntese da reportagem, que é o relato de duas japonesas, após 60 anos da explosão da bomba atômica em Hiroshima. O texto termina com uma adesão explícita à valorização da memória “Não esquecer nada e não perdoar nada. Nunca os perdoarei”.

O discurso oscila entre a primeira e a terceira pessoa. O narrador demonstrar ter domínio na progressão dos acontecimentos, concedendo voz aos personagens nos momentos mais críticos, para em seguida retomar a narrativa.
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui