Usina de Letras
Usina de Letras
49 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60371 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3194)

Ensaios - (9717)

Erótico (13520)

Frases (48260)

Humor (19555)

Infantil (4831)

Infanto Juvenil (4180)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139379)

Redação (3119)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Monólogo sobre A verdade -- 12/02/2003 - 15:33 (ANDRÉ spalis DOMINGUES) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos




Insisto em aprender a verdade, em cegar-me. Mas eis o paradoxo: Quero cegar sem me vendar. Vender-me à venda nunca! Então, ( numa vã tentativa de desafiar o monstruoso paradoxo e a extinta coragem): provoco rajadas de inocência furiosa contra esse desumano sonegar e aflijo-me.

Quero cegar a ver-me sem me ver cegar ( ouço-me agora e lembro-me criança, ânsia a ver-me a mim, aflita, a fatigar).

Repito: Não me posso negar. Negada está a verdade. Vende-se vendada e nega-se como tudo o que não existe, e que existiu, e que fora negado.

Coíbo-me à chegada da poesia: “Quando chegada a hora em que o Outono lentamente persistir em Inverno, e as temperaturas acudirem a um nível puríssimo, não haverá nada mais a fazer...” Cegarei regressado ao meu destino.

Mas quero cegar agora ( firo um nada da poesia ), que posso ver cego esse cegar evidente e devido.

Atingirei a essência mergulhada da verdade.; é essa que é passível de atingir e de se suportar, na apneia sistemática do livro.

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui