Usina de Letras
Usina de Letras
59 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59808 )

Cartas ( 21263)

Contos (13364)

Cordel (10327)

Cronicas (22226)

Discursos (3173)

Ensaios - (9574)

Erótico (13486)

Frases (47466)

Humor (19436)

Infantil (4676)

Infanto Juvenil (4003)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138983)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5702)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->MINHAS LETRAS FORAM EMBORA -- 15/02/2003 - 20:16 (Alexandre Marcos Seolim Rodrigues) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Que noite! Que silêncio! Que vida!

Se surgisse um poema agora,

Que curasse um pouco essa ferida,

Ah! Eu iria à forra.



Eu seria um raio da aurora,

Mostraria a cor do meu coração,

Faria um mundo todo na hora

E seria o fim dessa escuridão.



Eu cantaria um pouco em seu ouvido,

Para fazer o medo ir embora,

Dar à vida um tanto de sentido

E alegrar o ar que há lá fora.



Depois, então, eu dormiria,

No calor do ombro seu,

Aproveitaria essa calmaria,

Para ser o berço meu.



Sim, este é o meu sonho,

A poesia em que você está.

Entenda a fé que em você ponho,

A força que sua voz me dá.

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui