Usina de Letras
Usina de Letras
71 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59661 )

Cartas ( 21254)

Contos (13324)

Cordel (10319)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9535)

Erótico (13486)

Frases (47209)

Humor (19420)

Infantil (4621)

Infanto Juvenil (3937)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138767)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5656)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->NO VALE DOS SUICIDAS -- 14/12/2002 - 12:21 (Alvaro Neto) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Aqui não é tão estranho assim. Há muitas pessoas caminhando a esmo, blasfemando injúrias como se estivessem ébrias algumas parecem me amaldiçoar. Os espaços exíguos dão uma idéia de superpopulação. As ruas lembram as de um subúrbio, embora as casas estejam fechadas. O céu eternamente nublado anuncia uma chuva que não cai e o cheiro de éter no ar é nauseante.
Às vezes eu sinto bastante frio e fome. Quase sempre tenho que agredir seres inferiores que se agarram às minhas vestes implorando por alimento – curiosamente ainda não tive sede. Não sei determinar quanto tempo estou aqui, talvez dias, talvez horas. A ausência da noite confunde completamente minha noção e frustra as minhas expectativas romanceadas de escuridão.
Existe um local que funciona como uma espécie de divisa entre esse mundo e o plano físico. Ultrapassando é possível ver como está a vida sem minha presença. Nunca fui, nem tive a menor vontade. O estado emocional das pessoas quando retornam só provoca em mim repulsa. Fiz o que acreditava ser correto e não consigo me arrepender, até tento, mas as minhas convicções estão muito intactas. Admito que não podia continuar carregando tanta amargura, apesar da gélida solidão o meu fardo nesse lugar é bem mais leve.
Desde que ingeri as cápsulas algo queima dentro de mim incessantemente. Resisto graças ao meu orgulho e não cedo à dor, mesmo quando levado por ela encontro a calçada (aprendi a levantar com minha ira fortalecida e apoiar o meu ego em certezas).
Um dia senti muito a sua falta. Desejei cada afago, cada instante, cada palavra – mas logo passou – era apenas um devaneio. Agora não sinto mais, acho que minhas lembranças querem morrer também.
No meio de tanta gente desvairada não sou tão estranho assim. Misturo-me a multidão e com o olhar perdido ao longe caminho a esmo. Calado.

VEJA OUTROS TEXTOS DESTE AUTOR: www.aneto.blig.com.br
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui