Usina de Letras
Usina de Letras
21 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Frases-->Trovas mimosas -- 08/05/2023 - 12:27 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

 

Trovas mimosas

 

Félix Maier

 

I

 

Aos filhos do Rei, a picanha,

Prometida em cerrada campanha.

O Rei se embriaga com canha

E com pica, o povaréu se assanha.

 

II

 

No curto obituácute;rio consta sua vida,

Deixou uma família mui querida,

Mulher, dois filhos, cinco netos com amor,

E no Twitter sessenta carpideiras com dor.

 

III

 

Você, macho forte e destemperado,

O que diz sobre seus mamilos?

Deu de mamar no longínquo passado,

Ou vai no futuro aleitar os filhos?

 

IV

 

Até no imundo banheiro público hácute; poesia,

Feita na parede por um Bocage, com maestria:

“Por mais que você balance a munheca,

O último pingo é da cueca”.

 

V

 

De mão em mão, a cuia de mate dança.

Se tiver dor de barriga, tome mate de congonha.

Depois da bela chinoca de trança,

Beijar a bomba é o que o frangote sonha.

 

VI

 

Apressado come cru, mas enche as tripas.

Quem ri por último, retardado é, não refuga.

Depois da tempestade, caixões são cobertos com tulipas.

Quem madruga, cedo o ladrão o celular aluga.

 

VII

 

A varanda florida de tua casa, morena,

Tem muito perfume, paz e virtude.

O teu porte, tua beleza, tua feição serena

Me dácute; novo ânimo, alegria e muita saúde.

 

VIII

 

Ao ouvir um português, o brasileiro plebeu

Estranha sua cândida lógica e argumentação.

Parece que o português guardou Gil Vicente num museu,

E o brasileiro, num cabaré um Bocage de estimação.

 

IX 

 

Entre a Direita e a Esquerda, hácute; um abismo profundo.

Como islão, uso a mão direita para comer e dar a mão,

Enquanto a esquerda serve para outro tipo de apertão,

Como usar papel higiênico para limpar a bunda.

 

 X

 

Perder o mindinho não é desvantagem,

Diz o filósofo de Garanhuns, em alto som.

Não precisar esbanjar é muita vantagem,

São menos anéis para vestir os dedos da mão.

 

XI

 

A mentira é como areia movediça:

Quanto mais o mentiroso se explica,

Se contradiz e esperneia na lama imunda,

Mais ele se debate, se desespera e afunda.

 

XII

 

O politicamente correto fez a transgenia da palavras,

Transformando o vil aborto em “direito de decidir”.

Não existem mais alcoviteiros tornando prostitutas escravas,

Mas apenas o “corretor de empresácute;rias do sexo”, a sorrir.

 

XIII

 

Toda família tem um parente sabido, mas com falas descrentes,

Como meu tio, com sotaque alemão, carrrregado de cerveja.

Dizia ele que o atraso de uma vila se mede por dois entes:

Pelo número de quebra-molas e pela altura da torre da igreja.

 

XIV

 

Na Itácute;lia, general americano pergunta ao pracinha:

- O que você veio fazer aqui nesta guerra?

- Vim para morrer pela pácute;tria – respondeu com gracinha.

- Que besteira! Se você morre, quem vai defender essa terra?

 

XV

 

No século XX, o mundo conheceu a paz e o inferno.

O capitalismo e o socialismo fizeram obras ingentes.

Enquanto o primeiro construiu o mundo moderno,

O segundo foi macabro, exterminador de gentes.

 

XVI

 

Onde foram parar os descendentes de Abel?

Por que existe tanta pessoa ruim?

Somos todos restos da Torre de Babel,

Somos todos centinetos de Caim.

 

 

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui