Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
81 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->PARABÉNS AO DANTAS E A VOLTA DAS ANDORINHAS -- 21/11/2003 - 16:09 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. NOTA:

(Este cordel é um adendo
ao anterior intitulado
“RETORNANDO AO CORDEL,
acrescido de um prefácio
especial para dar parabéns
a José Dantas, por ocasião
de seu aniversário).


PARABÉNS AO DANTAS

Ao entrar hoje na Usina
Eu quase que não entendo,
Os cordéis eu fui puxando
E todos que ia lendo
Falavam, em rimas tantas,
Que aniversariava o Dantas,
Este poeta estupendo.

Fiz então um novo adendo
Ao cordel que eu trazia,
Pois não se pode esquecer
De quem aniversaria;
Com esta introdução,
Parabéns de coração,
Caro Dantas, neste dia.

*******************

A VOLTA DAS ANDORINHAS

As andorinhas voltaram
E com elas regressei,
Para o reino encantado,
Onde o cordel é o rei,
Pois a arte não tem dono,
Nem precisa de patrono,
Segue sua própria lei.

Com outros fui e voltei,
Fazendo nova pousada,
Tal como as andorinhas
Que pressentem a chegada
Do inverno e se vão,
Em busca de outro verão,
Numa grande revoada.

Se ocorreu a debandada
Houve razão certamente,
No entanto com o retorno
De toda essa boa gente,
Que a paz reine nos recantos
Da Usina, que são tantos,
E o sol ressurja mais quente.

Não no cordel tão somente
Rebrilhe o sol do verão,
Pois noutras praias da Usina
Muitos daqui lá estão;
São diversos os autores
E todos somos leitores
Do bom da publicação.

Cordel é integração,
Além de ser poesia,
Porque promove a união
E, com esta, a alegria
Entre o pessoal da Usina;
Se uma nota desafina,
Restaura a harmonia.

Hoje, neste belo dia,
O caminho eu refaço
Pra dar parabéns ao DANTAS
E sem sair do compasso;
Como a intriga machuca,
Não entro nessa arapuca,
Mas na amizade eu me enlaço.

Aos homens mando um abraço,
Só que um pouco distanciado,
Às mulheres, ao contrário,
Vai outro bem apertado;
Milene e Lílian Maial,
Socorro e Aline; que tal
Este quarteto ao meu lado?

BENEDITO GENEROSO DA COSTA



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 1036 vezesFale com o autor