Usina de Letras
Usina de Letras
80 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59665 )

Cartas ( 21255)

Contos (13325)

Cordel (10320)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9537)

Erótico (13486)

Frases (47213)

Humor (19420)

Infantil (4625)

Infanto Juvenil (3939)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138776)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5658)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->A REVORTA DO ZÉ -- 27/11/2003 - 11:11 (Altamirando Rodrigues da Silva) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A REVORTA DO ZÉ
AOTÔ: Altamirando Rodrigues da silva
x
A minha maió revorta
é vê nomi di rua e prassa
cun nomi di jenti
cen cintido e cen grassa
qi nadica dexô na sidade
parese inté pirrassa
x
dus adimininstradô
qi presta omenaji
a peçôa cen valô
axo uma grandi bobaje
tem qi acabá cun iço
i omenajiá genti di cartaje
x
cuma aqela prefeçôra
qi incinô meo fiu o b-a-bá
letinha pur letinha
inté mêo fiu decorá
era u cirvisso di dona Artina
e tudinho cen nada cobrá
x
ou intonsse ôta peçôa
u cumpadi Agenô
qi fêis uma pursão di coiza
condo aqi foi adimininstradô
mandô um loti di porjeto prá câmra
i qi us veriadô aprovô.
x
Não,não, us pulíticu só omenajia
jenti frostêra ou jenti inprestáve
dexandu di prestá omenaji
a peçôas respeitáve
qi naceru e criaru nu manicípo,
x
trabaiaru, cunstruiru, iducaru seos fiios,
ajudaru u pôvu i deixô erança
êces omis nun podi ficá isquissido
pricisa botá seos nomis cumo lembransa
naz rua e prassa da sidade
prá nois lembrá dêles cun cunstânsa.
x
Gostu di vê u nomi di jenti cunhicida
iscrita in todu lugá qi eu andu,
mi bati uma sodade nu peito,
inconto iço, fico lembrandu
dus bon tempu paçado
qi ali ficava cun elez cunversandu.
x
Ôtro dia lêro prá mim
aqi mermo ni minha sidade
u nomi duma prassa
axei uma grandi mardadi
omenajiá um prisidenti
qi guvernô in ôtros arribardis
x
fiqei ton revortado
qi pidi pru mêo perfeito
prá tirá aqele nomi
pidi qi deçe logo um geito
di botá o nomi dun cunhicido
prá nois ficá çartifeito
x
u mêo pidido foi atindido
i êo qero aqi agradicê
agradessu u ricunhicimento
daqele qi fais pur meressê
pessu au ledor deçes verçus
tombém num dexá acuntecê
x
qéro fasê uma viage
andá pur u arribárdi
vô discibrí si pur lá tombém
us pulíticu tem a merma mardade
botá nomi di jenti istranha
nas rua di sua sidade.
x
nois nun pudemo calá
i muitu mênus crusá us brasso
vamu regassá as mânga
i currijí êçe fracaço
dus omis qi dirije nóis
êzte é u apelu qeu fasso.

Estes versos foram escritos com 99,9 % de erros gramaticais, o que não ocorre com a pronúncia
do brasileiro analfabeto, por mais analfabeto que seja ele não atinge esse índice, concordam?
Descurpe!!!
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui