Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
40 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->A MISSA QUE NÃO TERMINOU -- 09/12/2003 - 20:47 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. A MISSA QUE NÃO TERMINOU

Lembro-me, quando eu era criança,
Que se considera ingênua e inocente,
De algo horrendo que fiz por vingança
Contra um padre que me foi inclemente.

Eu o servia na missa diariamente
Com o pão e o vinho da esperança,
Que de mim tomava sofregamente
E ao povo distribuía com bonança.

Coroinha aos sete anos de idade,
Frente ao altar levantei-lhe a batina
Para matar minha curiosidade,
Pois diziam que o padre era menina.

Levei um forte chute de botina
E na igreja o povo riu à vontade;
Mas no outro dia, na hora matutina,
Dei o troco e ninguém sentiu saudade.

Servi-lhe soda cáustica no vinho,
Só que antes ele comeu o pão
E tomou aquela taça sozinho,
Fez careta, mas tudo foi em vão.

No altar teve uma forte convulsão,
Tentou andar, mas errou o caminho
E, babando, caiu ali no chão
Com a sua túnica em desalinho.

Aproximou-se um samaritano,
Médico cristão que o examinou
E disse que houve um ato profano,
Por um Judas que ali o atraiçoou.

Numa ambulância o doutor levou
Para o hospital o sacerdote insano
E aquele povo devoto rezou
Pelo coroinha tão desumano.

Se Jesus morreu, todos morrerão
E, assim, faleceu aquele vigário,
Enquanto eu implorava perdão
Ao meu Senhor morto lá no calvário.

Cristo olhou-me e falou que fui otário
Por acreditar na voz do povão,
Porém me disse: – És um relicário
E os hipócritas não te julgarão.

Vinde a mim as crianças, proclamei,
Mas de todos eu sou o salvador,
Pois julgo o mundo só com uma lei:
Misericórdia, em nome do amor.

Para os mortais todo fim é uma dor,
Mas se ocorre é porque antes aprovei,
Portanto não sejas um sofredor
Pelo ente querido que ao céu levei.

Tinha o padre um coração muito fraco
E a idade avançada foi uma agravante;
Não foi seu ato que lhe abriu o buraco
Fui eu que o abracei naquele instante.

No céu estará comigo doravante,
Tão feliz e rindo como um macaco
À espera do seu coroinha infante,
Que se recusava a puxar-lhe o saco.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Benedito Generoso da Costa e sua página literária:http://www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=92945 ). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 800 vezesFale com o autor