Usina de Letras
Usina de Letras
57 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60358 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3193)

Ensaios - (9714)

Erótico (13520)

Frases (48249)

Humor (19549)

Infantil (4827)

Infanto Juvenil (4176)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139354)

Redação (3117)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Uma Rua Meio Suspeita -- 12/01/2003 - 15:33 (Andre Rocha) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
     Rodrigo era uma daquelas pessoas que podiam ser chamadas de "média". Tinha um desempenho médio na escola quando pequeno, atualmente trabalha em uma função média. Casou-se com uma mulher mais ou menos bonita, teve filhos mais ou menos sadios e é mais ou menos feliz.

     Até aí, nada de diferente, o mundo está repleto de pessoas médias. Quem não tem um lado médio? Até mesmo esse escritor, que escreve textos "mais ou menos". No entanto, a situação começou a mudar no final daquele verão. Um dia desses, quando Rodrigo saía de casa para o seu trabalho médio, notou que uma pessoa meio estranha, de estatura mediana estava em uma posição meio suspeita, na metade da rua de sua casa. O nosso personagem principal (agora, ele também já é meio seu) nem ligou, tirou o seu carro da garagem e, quando ia trancar o portão, foi surpreendido pelo sujeito:

     - Parado aí, seu Rodrigo! Esta arma está carregada e pronta para ser usada, embora eu não pretenda. Mais um movimento e ela ganhará vida própria!

     - Mas o q-que é isso? - perguntou Rodrigo assustado - Deve ser algum engano...

     - Que engano, Rodrigo... eu sou macaco-velho, deixa esse tipo de conversa para os seus iniciantes..

     - Que iniciantes? Eu não sei de nada! - disse Rodrigo, já suando frio - Socorro! Alguém me ajude! - gritou desesperadamente

     - Seu Rodrigo... esperava algo melhor de sua pessoa... francamente, você acha que algum dos patetas de sua rua vai vir aqui? No máximo chamarão a polícia, mas o delegado já ta sabendo!

     - Tá certo... - Rodrigo, ainda meio assustado, viu que não tinha outra escolha - e o que você quer de mim?

     - Ora essa... porque outra razão eu viria aqui? O chefe quer a grana!

     - Agora não dá para pagar, rapaz... a situação ta meio difícil... o meu salário mal dá para pagar as dívidas... minha casa ta meio velha, meu carro meio quebrado e eu não tenho meios de conseguir mais grana... Mas... Êpa! Peraí... que dinheiro?

     - Rodrigo... semana passada... você saiu do bar e dormiu com a Rebeca... falou pro chefe que pagaria a dívida hoje... ele tá esperando!

     - Que Rebeca? Semana passada eu tava meio bêbado... saí mais cedo e vim direto para casa! Fala uma coisa dessas aqui, se minha mulher não fosse meio surda ela te ouviria e meu casamento tava ferrado... Agora você foi longe demais, seu safado!

     Depois de falar isso, Rodrigo abandonou sua meia calma e partiu para cima do sujeito... Lutou bravamente para tentar pegar o revólver, mas foi meio devagar. Mais tarde, todos da rua estavam assustados e inconformados com a tragédia... quem passasse pela rua, ainda poderia ouvir de algum vizinho:

     - Coitado do Rodrigo... não o conhecia muito, mas ele era meio legal... Foi meio esquisita essa sua morte... bem que eu tenho avisado que essa rua está meio perigosa...
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui