Usina de Letras
Usina de Letras
62 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60287 )

Cartas ( 21286)

Contos (13379)

Cordel (10352)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9688)

Erótico (13520)

Frases (48086)

Humor (19493)

Infantil (4789)

Infanto Juvenil (4142)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139190)

Redação (3100)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5775)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Ensaios-->Teoria dos gêneros literários - diálogo entre textos -- 08/12/2021 - 23:03 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Teoria dos gêneros literários — cruzamento de textos (intertextualidade)



 



Curso de Letras – Língua Portuguesa — Adalberto Lima.



 



Os gêneros literários não morrem,



sofrem a metamorfose provocada pela



evolução do homem e do mundo e



eclodem nas mais diversas espécies



literárias da produção humana.



 



 



O presente trabalho pretende classificar e analisar as obras literárias: O CICLISTA, (Dalton Trevisan) e ALADIM E A LÂMPADA MARAVILHOSA, apanhado de “As mil e uma noites”; tomando-se por base as características estruturais que nortearam sua produção. Há de se considerar, no entanto, que nossa análise, pode arranhar pressupostos teóricos - até mesmo os mais modernos - e, tropeçar na classificação dos gêneros, por causa da semelhança entre eles, da complexidade da criação artística e da mesclagem dos gêneros admitida em função do processo evolutivo do homem e do mundo.



 



O CICLISTA descrito por Trevisan pertence ao gênero narrativo em prosa, assim classificado, em virtude da continuidade das linhas e da ausência de rima. Sua narrativa curta, descreve o flagrante, até certo ponto, pitoresco, do cotidiano de um operário, lutando na arena contra a fera dos tempos modernos – o trânsito -, a priori, essas características estruturais indicariam sua pertença ao subgrupo crônica, até porque, o chrónos (tempo) está presente, implícito no ofício diário do entregador de sorvetes. Mas para sermos fiéis ao autor, ficamos com a nomeação de conto, por ele atribuído à obra, e apresentamos elementos textuais que justificam sua classificação como conto. O conto de Trevisan apresenta narrativa pouco extensa, um flagrante ou um flash de um entregador de sorvetes, apressado a pedalar sua bicicleta, por entre veículos, numa rua de trânsito intenso, avançando sinal fechado e esfregando-se em transeuntes, a fim de cumprir com eficácia a missão de fazer entregas. Há um narrador observador, em 3ª pessoa, que apresenta o personagem, inicialmente, apenas como o ciclista, e mais adiante, José. “Curvado no guidão lá vai ele numa chispa” [...] “persegue a morte com o trim-trim da campainha: entrega sem derreter o sorvete a domicílio”....



Delimita o espaço, a rua. “Na esquina dá com o sinal vermelho...”



O tempo está implícito no ofício diário de entregar sorvetes e ainda: “Ao fim da tarde, José guarda no canto da casa o pássaro de viagem”.



ALADIM E A LÂMPADA MARVILHOSA, na Antiguidade Clássica, provavelmente, seria classificado no gênero épico, ou mais precisamente, como poema heroico, porque, há nesta obra a narração de feitos heroicos, embora de ficção, e uma personagem notável, Aladim, que, justificaria a inclusão do texto como poema heroico. No entanto, o exame do conteúdo e estrutura permite sua classificação no gênero narrativo em prosa, e espécie literária, conto, considerando-se os elementos narrativos encontrados: um narrador que relata, em terceira pessoa a história dos personagens, Aladim, sua mãe, o mago, o gênio, o sultão e a princesa, delimitando o tempo, (passado) e espaço:



“Aladim era filho de um pobre alfaiate que vivia (tempo passado) numa cidade da China” (espaço). “Quando seu pai morreu, ele era muito jovem” (delimitação de tempo). “Um dia, quando tinha mais ou menos quinze anos, (tempo) estava brincando na rua” (espaço). Apareceu-lhe um mago africano, dizendo ser seu parente...



Comparando-se os textos, O ciclista, e, Aladim e a lâmpada maravilhosa, depreendemos a interrelação entre a China, conhecida pelo hábito de seu povo em ter a bicicleta como principal meio de transporte, e nosso ciclista, que se esgueira entre postes, ônibus e caminhões, com seu pássaro de viagem, a bicicleta. A bicicleta para o entregador de sorvetes é sua lâmpada maravilhosa, o gênio e o engenho que lhe propicia comida à mesa. O gênio acorrentado espera sair da garrafa e ser liberto por um herói. O pedal (da bicicleta), também espera um herói para tirá-lo do canto da casa. Para Aladim, encostar nas paredes da caverna seria fatal. Para o ciclista, esfregar-se nos ônibus, ou avançar o sinal vermelho, pode ser fatal. Os veículos (guerreiros inimigos) dos quais o ciclista se esquiva são os monstros que Aladim enfrentaria se encostasse nalguma parede da caverna.



Percebe-se, no desenvolver da história, o surgimento de dificuldades como: o mago apoderou-se da lâmpada maravilhosa e levou o castelo de Aladim com a princesa para a África. Aladim esfrega as mãos e o gênio do anel o leva até o castelo onde está sua esposa. Com o poder do gênio da lâmpada maravilhosa recuperada do mago, Aladim leva o castelo de volta para a China. “Aladim e a esposa viveram felizes pelo resto da vida...”



Na concepção de Khéde (1986), os personagens dos contos de fada e das fábulas, são do tipo superficial. As soluções fáceis para problemas difíceis, os personagens maravilhosos que só precisam usar a fórmula mágica, para que tudo seja resolvido num instante, e, o final feliz comum no desfecho dos enredos, permitem classificar a obra como literatura infanto-juvenil.



A mesma coisa não se pode dizer de nosso Ciclista, embora ele tenha algo em comum ou em oposição a Aladim. Tanto Aladim, quanto o ciclista José, eram pobres. Mas enquanto José enfrentava o trânsito pesado da cidade, para ganhar o sustento, Aladim, apenas esfregava uma lâmpada velha e eis a mesa farta. O comum entre eles, no entanto, é o perfil psicológico: o ciclista, “indefeso, frágil, impávido, desvia de fininho o poste e o caminhão.” Aladim, “era um menino quando seu pai morreu”, portanto, indefeso e frágil. Destemido (impávido) enfrenta os perigos de explorar a caverna, para pegar a lâmpada maravilhosa, esgueirando-se para não encostar nas paredes



Referências



CITELLI, Adilson. Linguagem e persuasão. 16 ed. São Paulo: Ática: 2006, 103 p



 



KHÉDE, Sonia Salomão. Personagens dos contos tradicionais. In. Personagens da literatura infanto juvenil. São Paulo: Ática: 1986, p. 17-39.



KHÉDE, Sonia Salomão. Personagens da literatura infanto-juvenil contemporânea no Brasil. In. Personagens da literatura infanto juvenil. São Paulo: Ática: 1986, p.57-79.



SIQUEIRA, Ana Márcia. Teoria dos Gêneros Literários. Turma 1, Módulo 2, 2º semestre de 2007, aulas 1, 2, noturno. 10 out. 2007, 17 out. 2007, Disponível em < http://www2.unopar.br/bibdigi/biblioteca_digital. html. Acesso em: 17 e 21 out. 2007



SOARES, Angélica. Gêneros literários, 6 ed. São Paulo: Ática: 2006, 85 p.



...



Ler é massagear a lâmpada poderosa e libertar o gênio que está dentro de nós.



 Escrever é oferecer um tapete voador para que outros possam alçar voos maravilhosos no mundo encantado da imaginação. (Adalberto Lima)



Enviado por Adalberto Lima em 24/12/2007. Código do texto: T790123



Adalberto Lima



Enviado por Adalberto Lima em 07/12/2021



Reeditado em 07/12/2021



Código do texto: T7402196


Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 1Exibido 156 vezesFale com o autor