Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
43 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138242)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->REFLEXOS DE UMA CENTELHA -- 03/01/2004 - 16:36 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. REFLEXOS DE UMA CENTELHA

Ao refletir sobre a vida
Penso no que já passou
Se belas flores murcharam
O doce fruto ficou
Com o trigo semeado
Muito joio foi ceifado
Mas o pão nunca faltou.

Comigo bem eu estou
Apesar das desventuras
Se obtive alegrias
Também tive amarguras
Ao mal eu declarei guerra
E enquanto luto na terra
Dou glória a Deus nas alturas.

Penso em vitórias futuras
Com o pé firme no chão
Nunca se pode ter tudo
Pouco perdi até então
Nesta vida que é um jogo
Trago na alma o fogo
E a brasa no coração.

No meio da escuridão
Hei de ser um vaga-lume
Sabendo que se cair
Será pra subir ao cume
O espinho fere a flor
E esta lhe paga a dor
Exalando mais perfume.

Muito mais intenso é o lume
E a estrela mais brilhante
Quanto mais escura a noite
Para um pobre viandante
E assim sempre eu digo
Que vou me encontrar comigo
Ainda que bem distante.

Melhor é seguir avante
Voltar atrás não se pode
Lá no alto a cada instante
Uma supernova explode
Se paro ou caminho a esmo
Achando que o céu é o mesmo
Logo um trovão me sacode.

Desejo que o mundo rode
Até a mais não poder
Para que nele eu me esconda
E alguém possa me ver
Nas trevas da noite fria
Em busca da alegria
Que novamente eu vou ter.

Espero nunca me ver
Sobre o solo estirado
E os vadios em volta
Alegres com o achado
Dizendo: - Este que se foi
É um bode que quis ser boi
Não berrou e foi ferrado.

Quem foi muito abençoado
Por sua santa mãezinha
Jamais herda uma sina
Tipo madrasta mesquinha
Não vou morrer solitário
Pois mesmo no meu calvário
Está a sorte madrinha.

A Fada com a varinha
Despertou-me de meu sono
E acordei com os latidos
De um cão do qual sou dono
Que lambeu-me e disse: Oh rei
Ao seu lado eu estarei
Não se sinta no abandono.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA










Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 628 vezesFale com o autor