Usina de Letras
Usina de Letras
18 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62282 )

Cartas ( 21334)

Contos (13267)

Cordel (10451)

Cronicas (22540)

Discursos (3239)

Ensaios - (10386)

Erótico (13574)

Frases (50669)

Humor (20040)

Infantil (5457)

Infanto Juvenil (4780)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140818)

Redação (3309)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1961)

Textos Religiosos/Sermões (6208)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Textos_Religiosos-->Crer por crer...? -- 09/04/2024 - 21:38 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

 

 

 

 

 
 
 

O “diabo” é um ser muito complexo e podemos dizer que ele não é um ser, mas um conceito que engloba diversos seres, de diversas origens e com diversas características. Lúcifer, o anjo caído, é apenas um entre milhares de entidades relacionadas ao conceito.

Inicialmente, temos que explicar que na própria Bíblia há menção a nada menos que dez diferentes seres que foram associados ao diabo:

  1. A serpente do Éden
  2. Azazel
  3. O Bezerro de Ouro
  4. Os “filhos de Deus”
  5. Os nefilins e os anaquins
  6. Belzebu
  7. Shaitan
  8. Lúcifer
  9. Satanás
  10. O Dragão do Apocalipse

A serpente do Éden era realmente uma serpente, porém muito astuta e dotada de características, como a fala, que ela perdeu depois de ser culpada pela Queda do Homem. A serpente não é o diabo porque vemos, lá mesmo em Gênesis, o que aconteceu com a serpente e sua progênie.

Azazel era um deus que governava os desertos e lugares remotos. No livro do Êxodo se menciona o ritual do bode expiatório, que pode ser interpretado como uma aceitação tácita da existência de uma divindade adicional a Deus. Alternativamente, esse ritual também pode ser interpretado como um sacrifício feito pelos hebreus ao deus que governava os desertos a fim de terem passagem segura.

O Bezerro de Ouro, o falso deus por quem os hebreus se desviam do culto a Javé, é muitas vezes considerado um símbolo do diabo também.

Os filhos de Deus citados no livro do Gênesis são claramente seres divinos, provavelmente a origem do conceito de anjos caídos. Eles descem dos céus e se unem a mulheres humanas, gerando filhos monstruosos. Esses filhos de Deus são uma variação do mito de Prometeu.

Os nefilins são a primeira geração de seres monstruosos e gigantescos paridos pelas infelizes mulheres que aceitaram se deitar com os filhos de Deus. Os anaquins são descendentes desses nefilins.

Shaitan, o “adversário”, é um anjo fiel a Deus cuja função é testar a fé dos homens tentando-os. Isso fazia sentido no Judaísmo, que era uma religião monista, mas os cristãos hoje interpretam Shaitan como um rebelde.

Belzebu, o “senhor das moscas”, é uma sátira a Baal, o deus maior do panteão cananeu.

Lúcifer, a “estrela da manhã”, “o portador da Luz”, é uma referência ao rei babilônico Nabucodonosor, encontrada no livro de Daniel, em que se profetiza que o rei enlouqueceria e se passaria a viver como um animal pelos campos. A profecia provavelmente se refere a um episódio histórico real (um rei enlouquecer é algo possível) e foi mais tarde reinterpretada como outra referência aos anjos caídos.

Satanás é a versão cristã de Shaitan, agora não mais um serviçal de Javé, mas um ser que age de maneira independente, procurando corromper a obra de Deus.

Finalmente o Dragão, citado no livro do Apocalipse, onde ele persegue a Mulher Vestida de Sol a fim de devorar o seu Filho após o parto, é um símbolo do Império Romano, que oprimia o povo judeu e tentou destruir a missão do Messias.

Muitos dos atributos do diabo se baseiam no dragão: pele vermelha, rabo com ponta de flecha, aparência monstruosa etc.

O diabo cristão também recebeu muita influência dos deuses pagãos que o cristianismo pretendeu suplantar, principalmente dos sátiros gregos (pés de cabra e chifres), do deus celta Cernunos (aparência animalesca e com chifres) e de vários outros menos relevantes.

Com o tempo, várias entidades pagãs foram redefinidas como demônios. Entre a idade média e o século XVI surgiram os "grimórios", livros que supostamente explicavam o funcionamento do mundo espiritual e astral, além de dar instruções a quem quisesse evocar os anjos e os demônios. Um desses grimórios, o Lemegeton ou "Clavícula de Salomão", incluía a Goethia, a lista dos demônios graduados existentes no inferno, conforme sua "patente". A Goethia do Lemegeton foi reescrita e expandida na Pseudomonarchia Daemonorum, um grimório famoso do século XVI.

Nesta fase, praticamente toda divindade antiga de que se tinha memória e que não era claramente um deus da mitologia greco-romana foi transformada em demônio, especialmente as figuras que já não eram "boazinhas". Entidades como Abbadon (o Anjo Exterminador, do livro do Apocalipse), Gog e Magog, Asmodeu etc. Todos foram transformados em diabos — mas cada um trouxe consigo as suas características originais.

Então, quando você vê diferentes representações do diabo, você pode estar, sim, vendo representações de seres diferentes supostamente vivendo no inferno.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 9Exibido 74 vezesFale com o autor